Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
VEJA Gente Por Valmir Moratelli Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

Adele é transfóbica? Parte da internet acredita que sim

Vencedora do prêmio de Artista do Ano do Brit Awards 2022, cantora foi atacada nas redes sociais ao declarar que "ama ser mulher"

Por Jana Sampaio Atualizado em 9 fev 2022, 18h48 - Publicado em 10 fev 2022, 09h00

Quando queimaram os sutiãs defendendo os direitos femininos nos anos 60, é pouco provável que as feministas imaginaram a possibilidade de uma frase como “eu amo ser mulher” soar ofensiva. Como se sabe, no entanto, a cartilha PC mudou boa parte dos códigos existentes no século XX e, diante da declaração da cantora Adele, de 33 anos, o inevitável na era do cancelamento online aconteceu. Após subir ao palco do Brit Awards 2022 para receber o prêmio de Artista do Ano, a britânica foi alçada a nova inimiga dos direitos transgêneros pela seguinte fala:

“Eu entendo porque o nome deste prêmio mudou. Mas eu realmente amo ser uma mulher e sendo uma artista feminina, estou muito orgulhosa de nós”, afirmou Adele ao segurar a estatueta.

No último ano, o Brit Award decidiu excluir a distinção entre cantoras e cantores e criou a categoria ‘Melhor Artista’ para incluir aqueles que não se identificam nem como ele nem como ela, a exemplo de Sam Smith, que já levou o prêmio para casa e informou ao público ser uma pessoa não binária.

Para os críticos, que chegaram a chamá-la de TERF – um termo pejorativo para uma feminista que exclui os direitos das mulheres transgêneros , o discurso de Adele foi uma ofensa direta aos não-binários.

No Twitter, um ativista dos direitos LGBTQIA+ disse: “Por favor, não, ADELE não pode ser uma TERF”. Outro usuário da rede social, no entanto, pegou menos leve com a britânica. “Eu amo Adele, mas esse comentário de ‘mulher’ soa um pouco engraçado. Artistas não binários merecem mais que isso“.

A plateia que acompanhava a premiação, entretanto, não pareceu ver maldade na colocação de Adele e a aplaudiu calorosamente durante seu discurso. Integrantes de grupos de direitos das mulheres elogiaram a fala da cantora. “Sim, as mulheres fazem parte da sociedade, 50% na verdade. Adele, você deixa todas as mulheres que conheço orgulhosas. Você é uma inspiração para muitas coisas que podem ser alcançadas”, escreveu uma fã.

Fica a pergunta: Será que depois da polêmica a linguagem neutra vai entrar para o vocabulário de Adele? A ver.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês