Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Tela Plana

Por Kelly Miyashiro
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

Série vai reiniciar universo de ‘Harry Potter’ e desperdiça tramas da saga

Warner confirmou reboot com J.K. Rowling como produtora-executiva — projeto 'recicla' filmes já lançados quando poderia expandir a obra

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 13 abr 2023, 09h30

Confirmada pela Warner Bros. Discovery nesta quarta-feira, 12, a série reboot de Harry Potter feita para o Max — serviço de streaming que unificará HBO Max e Discovery+ — está em fase inicial de desenvolvimento e terá J.K. Rowling como produtora executiva. Apesar das polêmicas falas da autora, acusada de transfobia, ela atuará no projeto que transformará os sete livros, já adaptados para o cinema, em série. A expectativa é que cada temporada seja focada em uma obra individualmente. A saga do bruxo é composta, em sequência, por: A Pedra Filosofal, A Câmara Secreta, O Prisioneiro de Azkaban, O Cálice de Fogo, A Ordem da Fênix, O Enigma do Príncipe e As Relíquias da Morte — este último foi dividido em dois filmes.

Harry Potter já virou uma peça musical, A Criança Amaldiçoada, e tem uma saga spin-off de filmes, Animais Fantásticos,  protagonizada por Eddie Redmayne, que conta alguns eventos anteriores à existência de Potter. Entretanto, para quem leu os livros, é nítido que o universo é mal-aproveitado por sua criadora e pela Warner. Produzir um reboot que vai reciclar os filmes pode ser interessante sob a perspectiva de que será possível incluir mais detalhes dos livros que não tiveram espaço nos longas, como a criação do sindicato dos elfos liderado por Hermione, um desenvolvimento mais elaborado de romances dos protagonistas e principalmente dar vida a personagens que acabaram excluídos dos filmes por falta de espaço.

Apesar disso, muitas histórias mencionadas rapidamente dentro da criação de J.K. Rowling têm potencial de serem independentes. É o caso dos Marotos, grupo de quatro alunos de Hogwarts, incluindo o pai de Harry Potter, Tiago, da casa da Grifinória que na juventude quebravam regras, mas eram extremamente talentosos com a magia. Ou ainda a família Weasley e a Armada de Dumbledore original — grupo de resistência a Voldemort que incluía os pais de Harry e Neville Longbottom. As três narrativas poderiam ser desenvolvidas em séries, mas, por enquanto, se contentam com mais uma adaptação do protagonista — muito bem-vinda, mas também uma pena.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.