Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

Em ‘Slow Horses’, Gary Oldman comanda um grupo de espiões aloprados

A série da Apple+ é uma adição bem-vinda à tradição de thrillers de espionagem

Por Amanda Capuano Atualizado em 8 abr 2022, 10h23 - Publicado em 9 abr 2022, 08h00

Jackson Lamb (Gary Oldman) costumava ser um figurão do MI5, o afamado serviço da Inteligência britânica. Após anos de trabalho, porém, entrou em baixa e foi deslocado para a missão de manter na linha um grupo de agentes desajustados chamados pejorativamente de “slow horses” — ou cavalos lentos, em bom português. A Slough House, nome oficial da subdivisão dos zero à esquerda, é formada por espiões de ficha queimadíssima, responsáveis por falhas como provocar explosões em treinamento por confundir a cor da roupa de um possível terrorista ou até esquecer documentos confidenciais em um ônibus. No ostracismo em um prédio bolorento, passam os dias em uma rotina monótona, recolhendo papeladas e fazendo tarefas de segunda classe. Inspirada nos livros de Mick Herron, a série Slow Horses é uma adição bem-vinda à tradição de thrillers de espionagem das terras de James Bond e dos best-sellers de John le Carré. Com os dois primeiros episódios disponíveis na Apple TV+, e novos saindo às sextas-feiras, a produção maneja bem a adrenalina das tramas de agentes secretos, o humor ferino tipicamente britânico — e, claro, os dotes do sempre craque em serviço Oldman.

Slow Horses: Slough House Thriller 1
Agente em campo

A iguaria que dá sabor nobre à série, no entanto, é a condição muito peculiar do proscrito, ou o modo como os humanos tentam reagir e superar a queda em desgraça. No caso de Slow Horses, o sequestro de um garoto de origem paquistanesa por supremacistas brancos é a janela de oportunidade para os pupilos que Lamb chama de “meus perdedores” provarem que têm, sim, seu valor. Os neonazistas ameaçam decapitar o refém vivo, como uma forma de defender a “pureza” da sociedade britânica. Com sua experiência, Lamb se julga apto a encontrar os sequestradores e salvar o garoto. A missão, de quebra, se revela uma chance de mostrar ao mundo, e à elite do MI5 personificada pela rival Diana Taverner (Kristin Scott Thomas), que ele não está tão fora do jogo assim.

O espião que saiu do frio

Apesar dos lances fantasiosos e da veia cômica acentuada, a série oferece uma visão do mundo da espionagem um tanto mais realista que a média do gênero. À infalibilidade notória de personagens como o 007, Slow Horses contrapõe o inescapável fator humano: agentes de carne e osso são sujeitos a erros e, não raro, acertam o alvo por acaso. A trama traz ainda à discussão temas que intoxicam o debate público britânico atual, como a xenofobia e a imigração. Num mundo regido pelo caos, até esses agentes se revelam dignos de uma segunda chance.

Publicado em VEJA de 13 de abril de 2022, edição nº 2784

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Slow Horses: Slough House Thriller 1
Slow Horses: Slough House Thriller 1
Agente em campo
Agente em campo
O espião que saiu do frio
O espião que saiu do frio

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês