Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Tela Plana

Por Kelly Miyashiro
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

As lacunas deixadas por ‘Stranger Things’ que frustram os fãs

Final da série da Netflix entregou pouco do entretenimento prometido e mostrou medo dos produtores de mudanças drásticas na trama

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jul 2022, 15h26 - Publicado em 4 jul 2022, 12h09

ATENÇÃO: o texto a seguir contém spoilers do final da quarta temporada de Stranger Things.

Com uma morte e “meia”, o volume 2 da quarta temporada de Stranger Things chegou à Netflix na última sexta-feira, 1º, e frustrou fãs da série ao longo do fim de semana com um desfecho cheio de lacunas. Apesar de os produtores terem prometido um “banho de sangue” com muitos corpos a serem contados, apenas Eddie (Joseph Quinn) de fato morreu na história. Havia também a expectativa de que Max (Sadie Sink) deixasse a trama, mas a personagem sobreviveu, ainda que de forma dolorosa, ao segundo ataque de Vecna (Jamie Campbell Bower), entrando em coma com braços e pernas quebrados, além de cega. Todo o resto do elenco com dezenas de atores sobreviveu ao Mundo Invertido dominado pelo vilão.

O quarto ano da série criou tantos enredos paralelos que as cenas para amarrar os desfechos ficaram muito rápidas. Um exemplo disso foi o tão esperado reencontro de Eleven (Millie Bobby Brown) com Hopper (David Harbour), em que pouquíssima emoção foi entregue. Até a discussão de relacionamento entre Nancy (Natalia Dyer) e Jonathan (Charlie Heaton) foi escanteada, além de os flertes entre ela e Steve (Joe Keery) também terem sido abandonados. A revelação de que o amor de Mike (Finn Wolfhard) era o maior combustível dos poderes de Eleven não foi só clichê como também um pouco boba.

O solo de guitarra de Eddie pouco antes de sua morte acaba sendo a cena mais memorável do final da quarta temporada. Mas, em um compilado de mais de três horas, é frustrante que apenas essa sequência segure a onda da trama. Os dois últimos capítulos provaram que os irmãos Duffer têm medo de matar protagonistas, preferindo se manter em um lugar confortável para a quinta e última temporada. Com tantos finais felizes e apenas alguns pontos em aberto, como a rachadura do Mundo Invertido e suas consequências, eles acabam apenas deixando uma impressão negativa: desse jeito, a série bem que podia ter acabado no quarto ano.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.