Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Tela Plana Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Kelly Miyashiro
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

A verdade inegável – e dura – sobre o drama de Ana Hickmann

Apresentadora denunciou agressão do marido, Alexandre Correa – no Brasil, 50 mil mulheres sofrem um tipo de violência diariamente

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 20h02 - Publicado em 17 nov 2023, 15h19

Um dos principais assuntos desta semana, o drama de Ana Hickmann – que denunciou o marido, Alexandre Correa, por violência doméstica em 11 de novembro – representa, infelizmente, a realidade de milhares de mulheres brasileiras. Sendo modelo, influenciadora digital com mais de 17 milhões de seguidores só no Instagram e uma das apresentadoras mais famosas do Brasil, Ana tornou pública uma acusação de agressão ocorrida dentro da casa da família, em Itu, interior de São Paulo, na frente do filho de 10 anos do casal, e vem manifestando aos poucos que precisa ser forte pelo rebento e por ela mesma. A atitude da gaúcha de 42 anos é, antes de tudo, admirável pela coragem em denunciar o caso, além de mostrar como a violência doméstica obviamente não escolhe uma classe social – apesar de atingir em maior escala mulheres pobres e negras.

Símbolo da riqueza, seja ostentando sua sala gigantesca ou mostrando o dia a dia da família em seu terreno de 6.500 metros quadrados, Ana Hickmann poderia muito bem esconder a agressão para manter a aparência de lar feliz e perfeito, por medo do que os outros pensariam e do julgamento que toda mulher agredida acaba sofrendo por parte da sociedade – junto com a dependência emocional e/ou financeira, esses pontos são os motivos principais para vítimas de violência doméstica permanecerem casadas com seus agressores.

Uma pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e do Instituto Datafolha divulgada em março deste ano foi realizada em 126 municípios de pequeno, médio e grande porte, no período de 9 a 13 de janeiro de 2023, com amostra total nacional de 2.017 entrevistas. Segundo o estudo, 33,4% das mulheres brasileiras com 16 anos ou mais experimentou violência física ou sexual provocada por parceiro íntimo ao longo da vida. 24,5% afirmaram ter sofrido agressões físicas como tapa, batida e chute, e 21,1% foram forçadas a manter relações sexuais contra sua vontade. O levantamento também indica que “43% da população feminina afirma ter vivenciado, ao longo da vida, ao menos uma das formas de violência apresentadas, em todas as situações tendo como autor um parceiro íntimo” e, em média, 27,6 milhões de mulheres sofreram alguma forma de violência de um parceiro.

No recorte de classe social, em relação à renda salarial familiar, os dados revelam que, à medida que aumenta a renda, diminui a prevalência de violência, embora mesmo entre as mulheres com mais de 10 salários mínimos de renda os níveis sejam elevados: 31,2% das mulheres cuja renda familiar mensal é de até 2 salários mínimos sofreram violência no último ano. Entre as que ganham entre 2 e 5 salários, esse número é de 28,4%. Cai para 27,4% entre as que têm rendimento entre 5 e 10 salários, e 22,6% é a porcentagem entre as que recebem mais de 10 salários. Agressões físicas (13,8%) e espancamentos (7,7%) são muito mais frequentes entre mulheres com renda de até 2 salários-mínimos.

Parte dessa lamentável estatística, Ana Hickmann foi corajosa em denunciar e pode servir de inspiração para outras vítimas. Na segunda-feira 13, após o fim de semana em que a queixa-crime foi amplificada na imprensa, a apresentadora – vestindo uma camisa social de mangas compridas – trabalhou normalmente no Hoje em Dia, programa da Record, e disse não estar pronta para falar ainda. Na quinta-feira, 16, porém, Ana surgiu com um vestido branco sem mangas e o que parecia ser um hematoma em seu braço esquerdo chamou a atenção do público. Sutilmente, a gaúcha fez o contrário do que as vítimas fazem por vergonha: esconder seus machucados.

Continua após a publicidade

No caso de Ana, acumulam-se problemas financeiros – empresas que a apresentadora tem junto com Alexandre Correa devem 1,2 milhão de reais ao Banco do Brasil e, de acordo com o Tribunal de Justiça de São Paulo, ações iniciais movidas contra o casal somam mais de 4 milhões de reais. Além disso, há uma Dívida Ativa da União aberta, com 2,7 milhões de reais. O futuro do casamento de Ana ainda é incerto. Entretanto, a postura da apresentadora agora, em meio ao vendaval, é por si só um exemplo de força.

Acompanhe notícias e dicas culturais nos blogs a seguir:

Tela Plana para novidades da TV e do streaming
O Som e a Fúria sobre artistas e lançamentos musicais
Em Cartaz traz dicas de filmes no cinema e no streaming
Livros para notícias sobre literatura e mercado editorial

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.