Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

O sigilo do secretário e outros segredos

A quebra do sigilo de 140 contribuintes num órgão da Secretaria da Receita Federal do ABC paulista junta na mesma frase duas palavras etimologicamente ligadas à ideia de segredo: sigilo e secretaria. No caso de sigilo – que tem entre outros o sentido de inviolabilidade das informações pessoais do cidadão que estejam sob a guarda […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 14h25 - Publicado em 28 ago 2010, 12h44

A quebra do sigilo de 140 contribuintes num órgão da Secretaria da Receita Federal do ABC paulista junta na mesma frase duas palavras etimologicamente ligadas à ideia de segredo: sigilo e secretaria.

No caso de sigilo – que tem entre outros o sentido de inviolabilidade das informações pessoais do cidadão que estejam sob a guarda do Estado, garantida por lei – a relação com segredo é obvia: trata-se de termos sinônimos. O que pouca gente sabe é que sigilo chegou lá por um processo de metonímia. Literalmente um diminutivo de signum, sinal, a palavra latina sigillum designava de início o selo (que é simplesmente a versão vulgar do erudito sigilo), isto é, o carimbo, o sinete personalizado que se imprimia no lacre de uma carta ou outro documento para garantir que nenhuma violação passasse despercebida no caminho entre o remetente e o destinatário.

Quando desembarcou no português, no século 16, sigilo ainda guardava o sentido estrito de selo, hoje caído em desuso, mas cem anos depois já tinha passado pela ampliação semântica que o transformou em sinônimo de segredo. É curioso observar que, apesar de primitivo, o método da cera quente como garantia de privacidade tinha vantagens evidentes sobre o sigilo eletrônico de hoje.

Na palavra secretaria, a relação com a ideia de segredo vai se perdendo, mas era, na raiz latina, ainda mais direta. No fim das contas, secretaria e secretário têm sua origem em secretus, aquilo que é apartado, recôndito, oculto, íntimo, invisível. Segundo o filólogo brasileiro Antenor Nascentes, o secretário ganhou esse nome por ser “quem escreve as cartas de outro, por conseguinte, o depositário dos segredos desse outro”. Passando do plano individual para o social, a mesma ideia vale para secretaria, definida pelo Houaiss como “local ou repartição pública onde… se guardam ou arquivam documentos de importância” (grifo meu). Será que faltou dizer “vazam”?

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês