Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Rio Grande do Sul Por Veja correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre

Padre e pastor fazem culto ecumênico em apoio a caminhoneiros

Religiosos defendem protesto pacífico contra valor do combustível

Por Paula Sperb Atualizado em 28 Maio 2018, 17h52 - Publicado em 28 Maio 2018, 14h40

Os protestos dos moradores de Terra de Areia, a 122km de Porto Alegre, que ocorrem desde a semana passada em apoio à greve dos caminhoneiros ganharam reforço religioso na manhã desta segunda-feira (28). Com a maioria das lojas fechadas e prefeitura sem expediente, cerca de 1.500 pessoas fizeram uma caminhada pacífica de 6km que culminou em um culto ecumênico com a presença de um padre e de um pastor luterano. O ato religioso ocorreu em um posto de gasolina onde mais de cem caminhões estão estacionadosNo extremo sul do estado, em Santa Vitória do Palmar, o prefeito chegou a declarar o combustível como utilidade pública para desapropriação.

“Foi um ato cívico, de paz, sem interrupção das estradas, foi tudo tranquilo. Caminhamos pedindo não a intervenção militar, mas por intervenção divina para esse momento. O que sinto é que o grito de justiça que os caminhoneiros estão pedindo é correto. Sinto necessidade da gente se manifestar, repudiar a desigualdade social. Não posso calar diante disso. Creio que a sociedade não valoriza tanto o caminhoneiro porque nunca tinha pensado no quanto ele significa para a vida social, sobre o quanto o caminhão é importante. Sem ele, a vida se torna um caos. Em países mais desenvolvidos com ferrovias o caminhão não é tão importante”, disse a VEJA o padre Ceverino Craco, de 52 anos. Ele é pároco há 23 anos e há sete atua junto à comunidade de Terra de Areia.

Nascido no interior do Rio Grande do Sul, em São Marcos, município que tem a popular “Festa dos Caminhoneiros”, o padre chegou a cogitar a vida na estrada antes de optar pela religião. “Dirigia carreta desde criança, muitos na família são caminhoneiros. Guardo parte do meu coração no caminhão, mas Deus quis que eu dirigisse outro tipo de carreta [a religiosa], mas ainda guardo dentro de mim essa vocação”, contou à reportagem.

Moradores de Terra de Areia fazem passeata em apoio a caminhoneiros Amilco Knevitz,/VEJA.com

Mas não só os católicos estavam representados no ato ecumênico. Os moradores evangélicos escutaram o pastor da Igreja Luterana Ilvo Augustin, de 61 anos. Natural de Crissiumal, no noroeste gaúcho, há dezesseis anos ele atende os luteranos da região de Terra de Areia, especificamente em Itati, mas já passou pelo oeste de Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso.

“Há 35 anos trabalho com o povo. O que vejo é uma exploração por parte dos governantes. Precisamos apoiar o povo que vem sofrendo. Não se trata só dos caminhoneiros, mas a população como um todo. Lutamos pacificamente, não buscamos intervenção militar. Os caminhoneiros estavam sendo rejeitados pela própria sociedade. Hoje a população nota que eles é que fazem o Brasil andar. Devemos olhar para essas famílias. Imagine o motorista que fica trinta dias fora de casa, voltar ao lar e não ter o dinheiro necessário, não ter casa própria, não garantir os filhos na faculdade. É um povo que trabalha mais de doze horas por dia na estrada para conseguir o mínimo. Tudo isso se soma à manifestação e faz com que a gente se sinta a favor do povo sofridos do país”, disse o pastor a VEJA.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês