Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Rio Grande do Sul Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Veja correspondentes
Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre
Continua após publicidade

Na capital dos caminhoneiros, motoristas são ‘heróis da estrada’

São Marcos, na serra gaúcha, tem um caminhão a cada 13 habitantes

Por Paula Sperb
Atualizado em 29 Maio 2018, 12h20 - Publicado em 28 Maio 2018, 17h45

Oficialmente declarada “capital gaúcha dos caminhoneiros”, a cidade de São Marcos realiza anualmente uma festa em que centenas de caminhões desfilam em procissão e os veículos são abençoados. Segundo o Detran-RS (Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do Sul), São Marcos tem uma frota de 1.513 caminhões o que equivale a um caminhão a cada 13 habitantes, cinco vezes a média nacional, que é de um caminhão a cada 68 habitantes. No município, os caminhoneiros são chamados de “heróis da estrada”. A definição é do presidente da AMSM (Associação dos Motoristas São-Marquenses), Oneide Vilmar Fredrez. A entidade conta com 1.800 associados e está prestando auxílio aos caminhoneiros que decidiram fazer greve.

A cidade de 20.103 moradores, localizada na serra gaúcha, fechou as portas do comércio na semana passada em apoio aos caminhoneiros. Nesta segunda-feira (28), mesmo com o anúncio do presidente Michel Temer (MDB) de redução do preço do diesel na bomba em 46 centavos, pelo menos 300 caminhoneiros ficaram parados à beira da BR-116 que cruza o município, sem obstruir a passagem de veículos.

“O pessoal está parado e não quer sair, é o próprio motorista que quer parar, ninguém impede a passagem. Os caminhoneiros são os ‘heróis da estrada’. Por isso, aquele motorista que veio de outro estado e parou aqui está recebendo alimentação e suporte. Nós sabemos que as famílias estão longe e fica preocupadas”, disse Fredrez a VEJA.

Trabalhando no ramo desde 1994, Fedrez discorda do governo, que alega que existem “infiltrados” na greve dos caminhoneiros. “Não tem nada de infiltrado. É tudo motorista mesmo que está parado e não tem ninguém por trás. Ninguém está acreditando [na versão de que existem infiltrados]. Ontem disseram [pronunciamento de Temer] que está tudo certo, mas não está tudo certo, não”, disse o presidente.

Continua após a publicidade

Enquanto os caminhoneiros de São Marcos seguem insatisfeitos, o presidente da Federação dos Caminhoneiros Autônomos do RS (Fecam), André Luis Costa, esclarece que as principais reivindicações (diminuição do preço na bomba e isenção do pedágio do eixo suspenso) dos grevistas foram atendidas. “Houve significativo avanço”, defendeu. Para ele, a greve deve ser encerrada. Porém, Costa entende que parte do movimento criou “novas expectativas”. “Algumas pautas são justas, como o preço da gasolina, qualquer cidadão pode defender, mas a pauta dos caminhoneiros estava clara”, opinou.

Em São Marcos, por sua vez, mesmo que a greve se encerre nos próximos dias, os caminhoneiros já têm data marcada para uma grande reunião. Em outubro ,ocorre a Festa da Nossa Senhora Aparecida e dos Motoristas. O evento faz parte do calendário oficial do estado. Em 2017, segundo Fredrez, 5.000 caminhões participaram da “procissão motorizada” e cerca de 55.000 pessoas passaram pela festa.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.