Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Rio Grande do Sul Por Veja correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre

Maioria dos caminhoneiros fica nas margens sem bloquear, diz PRF

Bloqueios, que exigiriam força policial conforme anunciado por Temer, são “exceções”; PRF irá atuar nos acostamentos

Por Paula Sperb Atualizado em 28 Maio 2018, 15h22 - Publicado em 25 Maio 2018, 18h34

A falta de combustível e alimento nas cidades gaúchas se deve mais à decisão dos caminhoneiros de ficarem parados do que ao bloqueio das rodovias. Isso porque, segundo o superintendente da Polícia Rodoviária Federal (PRF) do Rio Grande do Sul, João Francisco de Oliveira, os motoristas ficam estacionados nas margens, como em postos de gasolina, sem obstruir as estradas. Estacionar no acostamento, porém, é proibido. Por isso, a PRF e até mesmo o Exército podem remover os manifestantes dos acostamentos mesmo que não estejam impedindo o trânsito.

“A maioria dos motoristas de caminhões não quer circular. Nosso dever é garantir o direito de circular para os que querem circular. Mas quem protesta parado, sem obstruir, pacificamente, tem assegurado seu direito à manifestação”, disse Oliveira em coletiva de imprensa na sede do órgão, em Porto Alegre, no final desta sexta-feira 25. O juiz Sergio Moro chamou os bloqueios de “excessivos” e questionáveis.

Sem bloqueio, não é necessário o uso da força policial para desobstrução das rodovias conforme o presidente Michel Temer (MDB) anunciou.

“Não há bloqueio de rodovias com caminhões. A dinâmica tem sido os caminhões ficarem nas margens e os motoristas caminhando no acostamento”, disse. “Os motoristas das margens não são o alvo”, acrescentou.

Conforme o superintendente, os bloqueios são “exceções” e foram rapidamente resolvidos com atuação da PRF no caso de estradas federais. Ainda segundo Oliveira, a PRF não pode impedir que os caminhões ocupem as margens. O estacionamento no acostamento, porém, é proibido e os caminhoneiros estão sendo multados.

A Refap (Refinaria Alberto Pasqualini), em Canoas, na região metropolitana, é área de interesse da União, segundo a PRF. Carregamentos da Refap têm sido escoltados desde terça-feira 22 para que possam deixar o local com carga. Porém, a dificuldade não foi a passagem dos caminhões, mas encontrar caminhoneiros dispostos a fazer o frete, contou Oliveira na coletiva.

Além da Refap, outro ponto de interesse da União, segundo a PRF, é a ponte sobre o Rio Guaíba, na BR-290, que até agora não foi bloqueada, mas tem sido monitorada.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)