Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ricardo Rangel

Continua após publicidade

Tarcísio de Freitas segue sendo refém de Bolsonaro

O governador de São Paulo cultiva a imagem de gestor moderado, mas corteja o bolsonarismo-raiz com um presente de dezenas de milhões de reais

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 20h12 - Publicado em 9 nov 2023, 18h11

Tarcísio de Freitas deu anistia para Bolsonaro (e mais uma porção de bolsonaristas) em relação a multas por descumprimento de medidas sanitárias durante a pandemia. O ex-chefe do governador ganhou um mimo de cerca de um milhão de reais. O custo total aos cofres públicos será de 72 milhões.

Tarcísio é uma figura interessante. Durante anos, foi um tecnocrata obscuro e sem coloração ideológica definida. Nessa condição, trabalhou, sem maior destaque, nos governos de Dilma Rousseff e Michel Temer.

Quando o bonde do bolsonarismo passou, não hesitou em subir. Mas, na esperança de não se deixar conspurcar pelo radicalismo do chefe, tentou se apresentar ao grande público como um “técnico” sensato e objetivo (outros, como Tereza Cristina e Marcos Pontes, tentaram a mesma coisa),

Com um pé na “independência” e outro em uma bajulação incondicional — na infame reunião de 22 de abril de 2020, chegou a dizer que Bolsonaro sairia da pandemia como um líder comparável a Churchill e Roosevelt (constrangido, o próprio ministro riu amarelo) — Tarcísio foi se equilibrando como pôde. E assim se elegeu governador de São Paulo.

E assim segue a vida. Para projetar a imagem de gestor moderado, Tarcísio faz declarações sensatas, se relaciona republicanamente com o Lula e o governo petista e (contra Bolsonaro) apoiou a reforma tributária. Para cortejar o bolsonarismo-raiz, Tarcísio sabota o programa de instalação de câmaras corporais em sua polícia — a qual elogia incondicionalmente quando ela faz operações que matam dezenas de pessoas. E agora concede essa anistia.

Continua após a publicidade

Não é uma conduta admirável, mas Tarcísio não tem alternativa. Sem o bolsonarismo, se inviabiliza eleitoralmente; se ficar com ele de corpo e alma, também. Tarcísio continuará se equilibrando, com um pé em cada canoa, indefinidamente. Assim pretende se eleger presidente da República.

O equilíbrio é tênue. E vai se tornar mais tênue à medida que os processos criminais contra Bolsonaro evoluírem.

Chegará ao auge na campanha eleitoral de 2026.

(Por Ricardo Rangel em 9 de novembro de 2023)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.