Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

O Egito entre a ditadura e a loucura e as chances da democracia

A onda de protestos que derrubou o governo de Zine Al-Abidine Ben Ali, na Tunísia, no poder havia 23 anos, parece ter chegado ao Egito, onde o ditador Hosni Mubarak governa com mão de ferro desde 1981. Milhares de pessoas ocuparam as ruas do Cairo, onde ocorrem os embates mais violentos, Alexandria e Suez. A […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 13h03 - Publicado em 26 jan 2011, 04h49

A onda de protestos que derrubou o governo de Zine Al-Abidine Ben Ali, na Tunísia, no poder havia 23 anos, parece ter chegado ao Egito, onde o ditador Hosni Mubarak governa com mão de ferro desde 1981. Milhares de pessoas ocuparam as ruas do Cairo, onde ocorrem os embates mais violentos, Alexandria e Suez. A exemplo dos tunisianos, os egípcios se mobilizam também por intermédio das redes sociais, como Facebook e Twitter. O governo confirma a morte de dois manifestantes e de um policial. Segundo as agências internacionais, as reivindicações que mobilizam os manifestantes são a suspensão da lei de emergência, que vigora permanentemente no país — e que restringe liberdades civis ; a saída do ministro do Interior e a adoção de um limite de tempo  para o mandato presidencial.

É… A situação é bastante complicada. Vou expor aqui alguns dilemas, e há respostas que não tenho.

Não duvido de que Mubarak seja um ditador detestável e de que seu governo concilia corrupção, violência e ineficiência. O Egito é um dos países árabes — ou, mais amplamente, muçulmanos — com os piores indicadores sociais do mundo. Notem: a ser verdade que os protestos estão sendo facilitados por conta da mobilização na Internet  (deve haver certo exagero aí, mas vá lá), a sua raiz não poderia ser mais positiva. Há muito tempo as ditaduras muçulmanas, pouco importa com quem se alinhem, servem para reprimir, na verdade, a vontade que seu povo tem de partilhar das conquistas da civilização, de que está apartado sob os mais variados pretextos — e não ofender a religião é um deles. Quem é o terrorista suicida (e homicida) senão aquele que pretende se ver livre das “tentações”?

Ocorre que o Egito tem um governo secular, que reprime com dureza também os grupos fundamentalistas. Conta com o apoio dos EUA — o que é estrategicamente correto, ainda que se repudie a ditadura. A questão é pensar qual é a alternativa. O Egito é a pátria da Irmandade Muçulmana, grupo extremista que está na raiz do moderno terrorismo islâmico. Quem, no Brasil, explicou melhor o papel da Irmandade Muçulmana foi Ali Kamel no excelente livro “Sobre o Islã”. Reproduzo um trecho da resenha que publiquei sobre o livro neste blog (íntegra aqui) no dia 20 de agosto de 2007. Leiam. É importante para entender a questão egípcia. Volto depois:

O autor nos apresenta, então, a Irmandade Muçulmana, criada pelo egípcio Hassan al-Banna, um filho de relojoeiro (…). Ele não pronunciou a frase, mas é como se a tivesse dito. Seu lema bem poderia ser: “Muçulmanos de todo o mundo, uni-vos”. Para ele, a divisão do Islã em nações era essencialmente antiislâmica. Todas deveriam estar unidas sob um só califa. Ganhou as massas no Egito. Ele tinha uma idéia clara sobre o Ocidente: “Todos os prazeres trazidos pela civilização contemporânea não resultarão em nada senão em dor. Uma dor que vai superar seus atrativos e remover a sua doçura. Portanto, evite os aspectos mundanos desse povo; não deixe que eles tenham poder sobre você e o enganem“. Em 1945, a Irmandade adere à violência e ao terror. Tinha 500 mil militantes e o dobro de simpatizantes. Criava escolas, hospitais, fábricas…

É Al-Banna quem muda o sentido da palavra “Jihad” – esforço. A “Jihad Maior”, originalmente, é o esforço interno que faz o crente para não fugir dos princípios da religião. A “Menor” é a luta DEFENSIVA contra o infiel. Não para ele, que passa a encará-la como uma luta pela restauração do que considera a verdadeira religião, recorrendo, sim, à violência também contra um governo islâmico se necessário. O lema da Irmandade, desde sempre, foi este: “Preparem-se para a Jihad e sejam amantes da morte”.

Continua após a publicidade

Al-Banna foi assassinado pelos agentes secretos do governo egípcio e foi substituído, no comando, pelo “Lênin” da turma: Sayyd Qutb. Era formado em educação e foi enviado pelo governo egípcio para conhecer os EUA: Nova York, Washington, Colorado e Califórnia. Ele odiou tudo o que viu e só enxergou decadência – até o hábito de aparar a grama lhe parecia prova cabal de futilidade. Se Al-Banna aceitava a violência para o propósito de unir os muçulmanos num só califado, seu sucessor foi mais longe: era preciso converter também, e pelos mesmos métodos, o mundo não-islâmico.

Sayyd Qutb é autor de passagens perturbadoras, embora, vejam só, uma delas pudesse, mutatis mutandis, ser escrita por Marilena Chaui. Vamos ver: “O Islã não obriga ninguém a aceitar sua fé, mas pretende oferecer um ambiente de liberdade no qual todos possam escolher suas próprias crenças. O que pretende é abolir os sistemas políticos opressores sob os quais as pessoas não têm o direito de expressar sua liberdade de escolher em que acreditar, dando-lhes assim plena liberdade para decidir se querem ou não aceitar os princípios do Islã.” Sem tirar nem pôr, é o que pensa um esquerdista do miolo mole. O socialismo, como o Islã (esse de Qutb), é a plena liberdade. E só não vê quem está submetido a alguma forma de opressão que o leva a ter uma falsa consciência, ditada pela ideologia burguesa. Combatida essa ideologia – que vem a ser o “Mal” -, então a pessoa é livre pode escolher: para os esquerdistas, ela escolhe o socialismo; para Qutb, o “seu” Islã. E se não escolhe? Então é porque ainda não está livre. Vejam só. Kamel está mesmo certo: o terrorismo islâmico é um totalitarismo – a exemplo do nazismo e do socialismo.

No livro, Kamel explica como esse ambiente da Irmandade Muçulmana acabou resultando na Al-Qaeda de Osama Bin Laden, não sem o concurso, evidentemente, de fatos históricos, digamos, facilitadores para a emergência do moderno terrorismo islâmico, como a invasão do Afeganistão pela União Soviética, o apoio dado pelo Ocidente à resistência – organizada por extremistas – , o sectarismo religioso da Arábia Saudita e a primeira guerra do Iraque, que vai opor Bin Laden ao governo saudita…
(…)

Voltei
Quem não quer democracia no Egito e no mundo inteiro? A questão é saber se o preço da queda de Mubarak pode ser a ascensão ao poder da Irmandade Muçulmana — e, pois, de um grupo que admite o terrorismo como uma forma legítima de luta política, firmemente destinado a acabar com o governo laico não só no Egito, mas no mundo!!! As agências noticiam que a Irmandade tem sido reticente em apoiar os protestos. Faz e não faz sentido. Faz porque, claramente, os manifestantes que estão nas ruas, por enquanto, parecem pedir democracia, não uma ditadura religiosa. Por outro lado, é sabido que Mubarak trata a Irmandade com mão de ferro.

Qual é a saída? Bem, se eu a tivesse, eu a ofereceria de bom grado, mas não tenho. Digamos que Mubarak caísse e se realizasse eleição livre no Egito. A chance de que fosse, a um só tempo, a primeira e a última seria gigantesca. É bom não confundir 10 mil pessoas protestando no Cairo com os 80 milhões de egípcios, boa parte dessa massa mobilizável pelo discurso religioso. A Irmandade Muçulmana está mais presente na vida do país do que se pensa, numa gigantesca rede clandestina de assistência social, inclusive.

Operando com critérios puramente lógicos, a melhor saída. parece, seria um processo de liberalização do regime de Mubarak, de modo a permitir a consolidação de uma oposição laica e democrática. A pior coisa que poderia acontecer para o mundo — e para os egípcios em particular — seria o país cair nas mãos da Irmandade Muçulmana. O Hamas, que governa a Faixade Gaza, ali do lado, foi criado pelos palestinos do grupo egípcio da Irmandade. Acho que vocês já entenderam as demais implicações.

Texto originalmente publicado às 21h35 desta terça.
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês