Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Barbosa admite atraso no pagamento de obras do Minha Casa, Minha Vida

Na VEJA.com: O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, admitiu, nesta quarta-feira que há atraso nos pagamentos das obras do Minha Casa Minha Vida e afirmou que o governo trabalha para regularizar o programa de pagamentos. De acordo com ele, a reunião desta manhã entre a equipe econômica do governo Dilma Rousseff e os empresários do […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 01h05 - Publicado em 24 jun 2015, 17h32

Na VEJA.com:
O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, admitiu, nesta quarta-feira que há atraso nos pagamentos das obras do Minha Casa Minha Vida e afirmou que o governo trabalha para regularizar o programa de pagamentos. De acordo com ele, a reunião desta manhã entre a equipe econômica do governo Dilma Rousseff e os empresários do setor teve como objetivo discutir alternativas para “agilizar” os desembolsos relativos às obras.

Uma das propostas é diminuir o ritmo de construção das moradias contratadas no programa de habitação popular, uma das vitrines da administração petista. Pelos cálculos do setor, o governo deve às empresas entre 1,5 bilhão de reais e 1,6 bilhão de reais. Outra alternativa é estipular um novo cronograma de pagamento. A indústria da construção diz que os atrasos eram de 15 dias, passaram para 30 dias e agora chegam a 60 dias. Já há empresários que ameaçam parar as obras e demitir os funcionários, o que pode agravar ainda mais o índice de desemprego no país.

De acordo com Barbosa, o anúncio do Minha Casa Minha Vida 3 ficará para o segundo semestre. A presidente Dilma Rousseff tinha prometido o anúncio da terceira fase do programa de habitação popular para o primeiro semestre deste ano. “Nossa prioridade agora é agilizar o cronograma de pagamento do 1,6 milhão de moradias que já estão contratadas para garantir o emprego e respeitar os contratos com as empresas”, disse o ministro ao sair da reunião com o setor da construção civil.

Segundo ele, não há definição ainda sobre a terceira fase do programa. Os pontos que estão em aberto são a criação de uma faixa intermediária, o reajuste do valor dos imóveis e a distribuição das moradias por faixa de renda e região geográfica.O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, afirmou que a dificuldade neste momento é adequar o ritmo das obras aos recursos disponíveis. “É colocar um sapato 38 num pé 42″, comparou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.