Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Em pedido de auditoria, CGU vê negligência da diretoria em situação financeira dos Correios

A Controladoria-Geral da União detalhou os gastos dos Correios em pedido de auditoria final. Em grave crise financeira, a CGU enxerga que a “sustentabilidade” da estatal está comprometida em níveis possivelmente irreversíveis e cobra “adoção de medidas urgentes pela alta administração”. Oficialmente, os Correios se comprometeram a reduzir despesas. Na prática, entretanto, a história tem […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h25 - Publicado em 3 nov 2016, 19h00
Esperando a fiscalização

Para a CGU, diretoria cruzou os braços

A Controladoria-Geral da União detalhou os gastos dos Correios em pedido de auditoria final. Em grave crise financeira, a CGU enxerga que a “sustentabilidade” da estatal está comprometida em níveis possivelmente irreversíveis e cobra “adoção de medidas urgentes pela alta administração”.

Oficialmente, os Correios se comprometeram a reduzir despesas. Na prática, entretanto, a história tem sido um pouco diferente. Os gastos com plano de saúde, criado em 2013 para economizar, aumentaram 44% de 2014 a 2015. Além disso, a CGU cobra uma justificativa para cerca de R$ 200 milhões gastos com férias de funcionários, uma vez que houve redução nos dispêndios com salário base.

Não é só. Desde 2011 a estatal apresenta queda no lucro operacional – R$ 6 bilhões em 2011 para R$ 1,9 bilhões em caixa no ano passado.

Os repasses a União deveriam ser feitos então de forma a não comprometer a capacidade econômica da empresa no futuro. Mas os relatórios e notas técnicas emitidos pelo Conselho de Administração e Diretoria Executiva faziam vista grossa ao cenário. A CGU esperava “uma atuação preventiva” por parte desses colegiados, o que parece não ter acontecido.

Do ano 2000 até 2010 foram pagos, ao todo, aproximadamente R$ 1,9 bilhões. Em contrapartida, somente em 2011, foi repassado o valor de R$ 1,7 bilhões à Secretaria do Tesouro Nacional, que acreditava que a situação financeira da estatal era “confortável”.

Para a CGU, nas deliberações do Conselho de Administração e Diretoria Executiva não houve “nenhuma determinação consistente” no sentido de reverter “o desequilíbrio dos resultados”.

Não deu outra. Em grave crise, os Correios vão tomar um empréstimo de R$ 750 milhões do Banco do Brasil.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)