Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Desembargador do TRF4 revoga nova ordem de prisão contra Alberto Youssef

Na segunda decisão do dia pela soltura do ex-doleiro, Marcelo Malucelli determinou "cumprimento imediato", com urgência

Por Gustavo Maia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 21 mar 2023, 18h32 - Publicado em 21 mar 2023, 17h27

Na segunda decisão do dia, o desembargador federal Marcelo Malucelli, do TRF4, revoga a nova ordem de prisão do juiz da Lava-Jato no Paraná, Eduardo Appio, contra o ex-doleiro Alberto Youssef, também decretada na tarde desta terça-feira. Mais cedo, ele havia concedido outra liminar para libertar o delator.

O magistrado do tribunal da segunda instância atendeu o pedido da defesa de Youssef e determinou “cumprimento imediato” da sua soltura, com urgência.

No início do despacho, publicado às 16h49, Malucelli apontou que, deferida a sua primeira liminar, a defesa alegou “que o magistrado de primeiro grau ‘se negou a dar cumprimento à decisão de Vossa Excelência’ e determinou a expedição de novo Mandado de Prisão contra o Paciente”. E pediu que fosse dado cumprimento à decisão proferida pelo TRF4.

Durante audiência de custódia com Youssef, Eduardo Appio considerou novos dados coletados pela PF para decretar outra ordem de prisão preventiva contra ele. O juiz citou entre “novas práticas delitivas” que teriam sido cometidas pelo ex-doleiro “seríssimos indícios” de que ele tenha sonegado a verdadeira posse e propriedade de edificados no município Balneários de Itapoá (SC).

“Primeiramente, inexiste alteração fática ou documento novo juntado que justifique a mudança de entendimento exarada na decisão anterior, que concedeu a liminar (evento 6, DESPADEC1). Ao que consta, a decisão acima revela apenas a renovação do decreto de prisão preventiva anteriormente expedido, com diversos fundamentos. Na realidade processual, é isso que se tem, descabendo falar-se em novo decreto que demande o ajuizamento de um novo habeas corpus, podendo ser enfrentado diretamente nestes autos”, escreveu Malucelli.

Continua após a publicidade

O desembargador reafirmou na sequência que a prisão preventiva “de ofício”, decretada pelo juiz, é ilegal.

Ele apontou que a Lei 13.964, de 2019, deu nova redação ao art. 282, § 2º do Código de Processo Penal, que estabeleceu que “as medidas cautelares serão decretadas pelo juiz a requerimento das partes ou, quando no curso da investigação criminal, por representação da autoridade policial ou mediante requerimento do Ministério Público”, e também ao art. 311 do CPP, segundo o qual “caberá a prisão preventiva decretada pelo juiz, a requerimento do Ministério Público, do querelante ou do assistente, ou por representação da autoridade policial”.

“Ante o exposto, comunique-se o Juízo impetrado, com urgência, para que dê cumprimento imediato à decisão proferida nestes autos. Dê-se vista ao Ministério Público Federal. Intime-se”, concluiu.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.