Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Radar

Por Gustavo Maia (interino) Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Assassino gritou ‘Aqui é Bolsonaro’ ao atirar em petista, diz vigilante

Depoimento consta do relatório final da polícia; no inquérito, delegada concluiu que crime não foi político e nem motivado por ódio

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 18 jul 2022, 09h04 - Publicado em 17 jul 2022, 13h45

A vigilante Daniele Lima dos Santos afirmou à Polícia Civil do Paraná que Jorge Guaranho, assassino de Marcelo Arruda, gritou “Aqui é Bolsonaro” antes de efetuar os disparos contra o petista.

O depoimento consta do relatório final da polícia, divulgado na íntegra na noite da última sexta-feira, 15. No mesmo dia, a delegada responsável pelo caso concluiu que não havia como apontar que o crime foi político ou motivado por ódio.

No relato, Daniele afirma que, na noite do crime, estava fazendo ronda na região em que ocorria a festa de aniversário quando visualizou um veículo entrando no clube. Pouco depois, ouviu o condutor do automóvel gritando “Aqui é Bolsonaro.

A vigilante conta que prosseguiu com a ronda na rua e que avistou o mesmo veículo saindo bruscamente do local. Depois de certo tempo, viu o mesmo veículo se aproximando de volta, em alta velocidade — ela narra que quase foi atropelada e que teve que jogar sua moto para o lado, pois percebeu que o motorista — Jorge Guaranho — não ia parar.

O homem entrou rapidamente na associação com o carro e poucos instantes depois ouviu o mesmo dizer, novamente, “Aqui é Bolsonaro”, juntamente com palavras de baixo calão e, logo em seguida, passou a ouvir vários disparos de arma de fogo.

Continua após a publicidade

Um minuto depois, Daniele e um colega acionaram a polícia. Ela também respondeu aos investigadores que enviou um áudio ao seu chefe relatando que um indivíduo gritando “Bolsonaro” quase a havia atropelado.

Na última sexta, a delegada responsável pelo caso concluiu que não há como apontar que o crime foi político ou motivado por ódio. José Guaranho será indiciado por homicídio qualificado por motivo torpe, afirmou a polícia.

A decisão foi contestada pelos advogados que representam a família de Marcelo Arruda, que apontaram uma série de irregularidades no decorrer das investigações.

“Estamos reunindo elementos para ver quais ações adotar. A priori, as questões apontadas indicam que o inquérito foi maculado por uma investigação insuficiente“, disse ao Radar o advogado Daniel Godoy Júnior.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.