Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Por Trás dos Números Por Renato Meirelles Renato Meirelles é pai da Helena, acredita que a Terra é redonda, está à frente do Instituto Locomotiva e, neste espaço, interpreta os números muito além da planilha Excel

Fica a dica, ministro!

Em Davos, Paulo Guedes deveria prestar atenção ao que Celso Athayde falou

Por Renato Meirelles Atualizado em 24 Maio 2022, 14h49 - Publicado em 24 Maio 2022, 14h16

O Brasil está muito bem representando no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. Temos um exemplo de líder. Alguém que trabalha há 25 anos para dar condições para que uma parcela considerável da nossa população, justamente aquela que mais precisa, se desenvolva em toda a sua potencialidade. Estamos falando de um exército invisível aos olhos de muitos. Um formidável colosso de 17 milhões de brasileiros que consomem por ano R$ 180 bilhões e ajudam a fazer a roda econômica do país girar. São os empreendedores, os entregadores de aplicativo, as cozinheiras … São as brasileiras e brasileiros que durante a pandemia não deixaram o Brasil parar.

Celso Athayde fundou a Central Única das Favelas (Cufa), que hoje está presente em mais de 16 países. A Cufa trabalhou incansavelmente para que os efeitos do isolamento social durante a pandemia não afetassem ainda mais as favelas e periferias brasileiras. Essa é a razão de Celso Athayde, hoje CEO da Favela Holding, receber o prêmio de Empreendedor Social do Ano, da Fundação Schwab, que organiza o Fórum Econômico Mundial.

Davos parou para ouvir Celso Athayde. Em seu discurso de agradecimento, ele mostrou o que podemos aprender com a quebrada: “As favelas são territórios cheios de resiliência e alegria. Favela não é espaço de carência, mas de potência e confiança.” O empreendedorismo é a receita da favela para sobreviver.

Enquanto o ministro Paulo Guedes dizia, durante a pandemia, que o governo teve de “encontrar 30 milhões de invisíveis”, a Cufa estava cadastrando por biometria facial as mães das favelas brasileiras. Enquanto a inflação disparava e o poder de compra dos brasileiros despencava, era a Cufa que enchia as panelas da favela.

O ministro que reclamou da “farra” das empregadas domésticas que queriam viajar de avião, deveria aprender com o Favela Vai Voando, empreendimento social que levou milhares de favelados a conhecer o Brasil e o mundo.

Em um país de milhões de desempregados são iniciativas recentes como o ExpoFavela e o Favela Fundos, ambas com as digitais de Celso Athayde, que geram renda nas comunidades.

Não sei se o ministro Guedes, que também está em Davos como representante do governo, teve a oportunidade de acompanhar o que Celso falou por lá. Se não teve, deveria. É uma lição preciosa.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)