Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Por Trás dos Números

Por Renato Meirelles Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Renato Meirelles é pai da Helena, acredita que a Terra é redonda, está à frente do Instituto Locomotiva e, neste espaço, interpreta os números muito além da planilha Excel
Continua após publicidade

A hora da diversidade

B3 lança guia com orientações, dados e conceitos que mostram por que a preocupação com a presença de minorias deve ser de todas as empresas

Por Renato Meirelles Atualizado em 12 Maio 2023, 16h30 - Publicado em 8 Maio 2023, 10h39

Como ser mais lucrativo, eficiente e ter uma equipe mais motivada e criativa na hora de pensar em soluções para os desafios do dia a dia? Se você é um profissional contratado de alguma empresa ou dono de algum negócio, certamente deve ter se deparado com alguns destes desafios em algum momento da carreira. É óbvio que não existe uma solução mágica para estes desafios, que permeiam diferentes ramos. Nos últimos tempos, porém, uma agenda específica tem ganhado destaque e merece a atenção de todos os profissionais e empresas que querem, de alguma forma, se manterem relevantes e atualizados: a da diversidade e inclusão.

Para além dos discursos simplistas e das retóricas que podem soar como propaganda enganosa, sobram pesquisas e dados sobre o verdadeiro impacto de se implementar uma cultura que reflita a complexa e diversa estrutura social do nosso país. Sim, estamos falando de pretos e pretas, pardos e indígenas, população LGBTQIA+, pessoas com deficiência e pessoas mais velhas. Todos, sem exceção, merecem espaço nas empresas e podem contribuir para torná-las negócios mais rentáveis e eficientes. Quem está falando isso não é este colunista, mas a B3, empresa responsável pela Bolsa de Valores Brasileira e que lançou na semana passada seu Guia de Boas Práticas em Diversidade, Equidade e Inclusão em parceria com a consultoria iO Diversidade e o Instituto Locomotiva.

De acordo com o Guia, empresas com maior diversidade de gênero em suas equipes executivas são 21% mais propensas a lucratividade. As companhias com maior diversidade étnica e cultural também têm probabilidade de lucrar 33% mais, além de terem colaboradores 17% mais engajados. Some-se a isso o fato de que as empresas que associam ações de diversidade com ações de inclusão tendem a ter menos conflitos internos, reter mais talentos e criar um ambiente favorável ao desenvolvimento de criatividade e inovação. Tudo isso sem contar, ainda, os ganhos intangíveis, como fortalecimento de cultura e propósito dentro do ambiente de trabalho, além de permitir aos colaboradores atuar com contraditório e a pluralidade de ideias, que ajudam a pensar em soluções e iniciativas mais criativas.

É claro que a tarefa está longe de ser simples, e como o próprio guia deixa claro, não existe “receita de bolo” para implementar, de fato, um ambiente com mais respeito e diversidade nas empresas. Em primeiro lugar porque cada companhia tem sua realidade própria e suas limitações que precisam ser levadas em conta. Além disso, mais importante do que buscar uma fórmula ou solução, é compreender os processos históricos e sociais que levaram tantos segmentos da população a serem marginalizados ou mesmo subvalorizados no ambiente corporativo. Somente a partir dessa compreensão e que se pode mudar alguns valores que levaram anos para serem consolidados no ambiente de trabalho.

Estamos falando de valores e conceitos que perpassam de piadas de mau gosto no ambiente de trabalho a critérios de seleção para vagas e mesmo promoção. Sim, valorizar na seleção de vagas somente profissionais de faculdades de ponta tradicionais contribui para um ambiente menos diverso e a perpetuação de desigualdades. E o motivo para isso é simples. Qualquer um que já prestou vestibular ou se arriscou em um processo seletivo no mercado de trabalho sabe que, historicamente, as camadas da população de melhor renda e com acesso a melhores recursos culturais e educação é que acessam essas faculdades. Mais que isso, são essas camadas que frequentam os círculos sociais que, tradicionalmente, abrem portas para as melhores vagas de trabalho.

Continua após a publicidade

Não, ninguém está falando que é proibido ou errado contratar um profissional de uma faculdade de ponta, que certamente contribui para o crescimento de uma empresa. Mas variar essa contratação e passar a valorizar também diferentes habilidades, como as chamadas softskills de moradores de favelas que são tradicionalmente mais acostumados com trabalho em grupo, por exemplo, pode agregar, e muito, na equipe de trabalho. É com esta e outras discussões que o guia lançado pela B3 se propõe a ser uma ferramenta para todos e todas que querem se manter relevantes no mercado de trabalho do século XXI a partir de práticas e estratégias para repensar alguns valores e práticas e implementar um ambiente de trabalho melhor para todos.

Se os números não foram suficientes para convencer, caro leitor, basta pensar que a empresa que representa a essência do capitalismo brasileiro e seus valores dedicou tempo e dinheiro para elaborar um documento que aborda a importância de lidar com os diferentes grupos sociais, sobretudo os historicamente excluídos. Isso não é pouca coisa e, no mínimo, merece um tempo de sua leitura. Confira aqui como o desafio da diversidade pode ser enfrentado, você só tem a ganhar.

Acesse aqui o guia de boas práticas da iO Diversidade

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.