Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

“Vamos parar em paz”, diz Andreas Kisser, do Sepultura, sobre fim da banda

O guitarrista conversou com VEJA sobre a turnê de despedida e as razões que levaram o grupo a se separar

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 13 dez 2023, 18h45 - Publicado em 8 dez 2023, 16h57

Após quarenta anos de estrada, o Sepultura anunciou que vai se separar em 2024 após uma turnê de despedida intitulada Celebrating Life Through Death (Celebrando a vida através da morte, na tradução livre). A primeira e a última frase do comunicado de abertura sugerem as razões do fim. “O Sepultura vai parar. Vai morrer. Uma morte consciente e planejada”, diz o texto, que encerra com: “Eutanásia, o direito a morte digna. Direito de escolha de ser livre quando se nasce e quando se morre!”. A escolha das palavras não foi por acaso. No ano passado, a esposa de Andreas Kisser, Patrícia, com quem ele estava casado há 32 anos, morreu aos 52 anos, de câncer de cólon, depois de um longo e doloroso tratamento. Kisser atravessou esse período difícil sem nenhuma orientação e, desde então, se dedica a quebrar tabus sobre como falar da morte e também sobre eutanásia. Ele lançou, inclusive, o projeto Mãetrícia, movimento que busca discutir uma morte digna.

Andreas Kisser conversou com a reportagem de VEJA logo após a entrevista coletiva onde revelaram os detalhes da turnê de encerramento. No bate-papo, ele contou que não convidou Max e Iggor para a turnê, mas que o palco estará sempre aberto. Ele disse ainda que a morte da esposa pesou na decisão de encerrar a banda. O objetivo agora, segundo ele, é de celebrar a história do grupo e aproveitar cada minuto com os colegas e os fãs.

O Sepultura foi formado em 1984, em Belo Horizonte, pelos irmãos Max e Iggor Cavalera, e pelo baixista Paulo Xisto, mas foi somente após a entrada de Andreas Kisser, em 1987, que o grupo ganhou notoriedade mundial e se tornou a potência que é hoje. Desde 1997, os vocais são ocupados por Derrick Green e a bateria é de Eloy Casagrande. Confira a seguir os principais trechos da entrevista: 

 

A banda Sepultura fará uma turnê de despedida em 2024
A banda Sepultura fará uma turnê de despedida em 2024 (Bob Wolfenson/Divulgação)

O Sepultura está em uma de suas melhores fases da carreira. Por que terminar agora? É justamente por isso que tomamos essa decisão. Vamos parar com consciência, em paz. Conversamos sobre isso há dois anos e organizamos o processo. Não precisamos de álibi, de briga ou que alguém fique muito doente ou velho para terminarmos. O momento é espetacular, é o melhor momento da nossa história. Temos um disco fantástico e estamos preparando outro ao vivo com quarenta músicas em quarenta lugares diferentes. Acho que é um privilégio não sermos vítimas de uma situação para ter que parar. Me sinto muito feliz em poder controlar esse processo. Sabemos muito bem o que estamos fazendo.

Várias bandas clássicas de heavy-metal e rock anunciaram turnês de despedida e depois voltaram atrás. O fim é mesmo para valer? Não estou preocupado com isso. O momento é agora. O que virá depois vemos depois. Eu nunca falo para sempre. Não botamos data limite. Vão ser 18 meses da turnê de despedida, depois vamos dar um tempo. O futuro ninguém sabe. Não é necessário definir isso. Se vamos voltar ou não é outra historia. Queremos celebrar os quarenta anos dessa forma e ver o que acontece.

Após o fim da turnê de despedida, você e os outros integrantes já têm outros planos de carreira solo? Tem de tudo um pouco. Temos projetos solos, bandas paralelas, mas nada específico. Quero exercer essa liberdade e ver o que acontece. Quero celebrar o momento atual com muita intensidade.

Especula-se que o baterista Eloy Casagrande foi convidado para tocar no Slipknot. Como vê essa história? Não presto atenção nisso. Fico honrado que o nome do Eloy sempre apareça. Ele é o melhor baterista do mundo.

Continua após a publicidade

A morte precoce de sua esposa Patrícia, em 2022, pesou na decisão de encerrar a banda? Sim, sem dúvida. Começamos logo depois o Patfest e o Mãetrícia justamente para estimular a discussão no Brasil da eutanásia, suicídio assistido e para preparar as pessoas para o momento da morte. Eu me senti mal preparado em vários aspectos sobre cuidados paliativos e quais são os limites do hospital e dos médicos. Essa turnê é para celebrar a vida por meio da finitude. Todo mundo vai morrer e temos que acabar com esse tabu e falar sobre a morte com as crianças, porque pode acontecer a qualquer momento.

Vocês convidaram Iggor e Max Cavalera para participarem da turnê de despedida? Não. Mas o palco está sempre aberto. É uma característica nossa convidar vários músicos para jams e participações especiais. O espaço do Sepultura está sempre aberto e isso não vai mudar.

Acompanhe notícias e dicas culturais nos blogs a seguir:

Tela Plana para novidades da TV e do streaming
O Som e a Fúria sobre artistas e lançamentos musicais
Em Cartaz traz dicas de filmes no cinema e no streaming
Livros para notícias sobre literatura e mercado editorial

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.