Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Vilma Gryzinski Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Na guerra, vale tudo: o Chelsea de Roman Abramovich se lascou. E daí?

Em tempos normais, seria uma notícia de abalar o mundo do futebol, na Inglaterra e fora dela, mas a invasão da Ucrânia criou tempos anormais

Por Vilma Gryzinski 11 mar 2022, 12h31

O bilionário Roman Abramovich entrou na lista de sete oligarcas russos sancionados pelo governo britânico e seu brinquedo mais conhecido, o time de futebol Chelsea, entrou numa zona cinzenta.

Que importância tem isso diante das cenas da maternidade bombardeada em Mariupol, com grávidas feridas sendo resgatadas em macas – uma das perversidades mais abomináveis que se possa imaginar?

A guerra na Ucrânia serve para colocar muitas coisas em perspectiva.

Mas vale lembrar algumas das ironias do caso. Abramovich, com seus 13 bilhões de dólares, palacetes e iates, mais dois passaportes – de Israel e de Portugal – que lhe garantem liberdade de movimento, estava no topo da lista negra feita por Alexei Navalny, um russo que não vale nada – em termos de dinheiro -, escapou por pouco do envenenamento encomendado por Vladimir Putin e hoje cumpre pena de prisão na condição de inimigo do estado.

Outra ironia: sua filha Sofia, de 26 anos, tuitou no começo da invasão que era um engano confundir Vladimir Putin com a Rússia – quem quer a guerra é ele.

Não é nada impossível que Abramovich compartilhe da mesma opinião. Nos últimos anos, ele vem fazendo um arriscado jogo de equilíbrio entre a relação com Putin, que lhe permite manter os interesses na Rússia, e a reputação prejudicada aos olhos da opinião pública mundial.

A invasão da Ucrânia foi o empurrão final. Abramovich sabia o que viria pela frente e tentou vender o Chelsea. Não deu tempo.

Agora o time, que continua a jogar na condição de “patrimônio cultural”, não pode vender ingressos nem camisetas e outros produtos, comprar ou transferir jogadores ou gastar mais de 20 mil libras em viagens. Patrocinadores importantes cogitam cair fora. O time ainda pode ser vendido, com a condição de que a transação não beneficie Abramovich.

Continua após a publicidade

A justificativa do governo britânico para as sanções contra o bilionário de 55 anos foi que sua siderúrgica, a Evraz, fornece recursos que potencialmente são usados na agressão contra a Ucrânia, além de aço que “pode ser usado na fabricação de tanques”.

Entre os outros sancionados, está Oleg Deripaska, um dos raros magnatas a falar, em termos bem cuidadosos, contra a guerra na Ucrânia, e Igor Sechin, vulgo Darth Vader, diretor da Rosneft, a gigante estatal do petróleo e do gás. Na semana passada, autoridades francesas confiscaram o iate de Sechin, Amore Vero, que estava num estaleiro na Côte d’Azur.

Abramovich tem não apenas um, mas dois iates, o Eclipse e o Solaris, além de jatinho e um Boeing 787-8.

No começo da guerra, chegou a tentar uma mediação, usando a vantagem de ter trânsito na Rússia, na Ucrânia e em Israel, mas foi superado pela dinâmica dos fatos – e pela própria biografia.

Abramovich foi um dos gênios que surgiram dos escombros da União Soviética e aproveitaram a derrocada das grandes estatais para capturar riquezas naturais que fazem da Rússia uma grande produtora de matérias-primas. 

Conseguiu manter boas relações com Putin, ao contrário de seu patrono, Boris Berezovsky, outro aventureiro brilhante que durante algum tempo foi dono do Corinthians (até hoje, muita gente acredita que o suicídio de Berezovsky, encontrado enforcado no banheiro de sua mansão na Inglaterra, foi obra da espionagem russa).

Os oligarcas russos têm paixão pela Inglaterra – inclusive pelo ambiente favorável aos negócios que sobreviveu mesmo às primeiras ondas de sanções contra a Rússia. 

Abramovich tentou criar uma imagem diferente do brucutu russo montado na grana, através de imensas quantidades de dinheiro colocadas em patrocínios artísticos e beneficentes. E, claro, no Chelsea, onde era adorado pela torcida e por jogadores. A Ucrânia já estava sendo invadida quando torcedores abriram uma das faixas mais conhecidas, celebrando “The Roman Empire” – um trocadilho entre seu nome e o império romano.

Nem os enormes investimentos em relações públicas e nos melhores advogados que o dinheiro pode contratar evitaram a queda do império abramovichiano.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)