Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Mundialista

Por Vilma Gryzinski Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A direita populista ou nacionalista está perdida – e, mesmo assim, cresce

Giorgia Meloni iria implantar o neofascismo, segundo os inimigos, mas não consegue nem controlar a imigração, um exemplo de problema bravo

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 13 Maio 2024, 21h05 - Publicado em 19 set 2023, 07h44

Dá até pena ver a primeira-ministra Giorgia Meloni tentando fazer alguma coisa que funcione em relação ao problema que a elegeu: a imigração irregular sem limites.

Na semana passada, ela visitou a ilha de Lampedusa, o primeiro ponto de parada das ondas humanas que chegam da África e da Ásia, em companhia de Ursula von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia. Como a burocracia da União Europeia faz parte do problema e não da solução, o gesto de Giorgia Meloni revela um certo desespero. Segundo os adversários, ela era uma perigosa ultradireitista que iria instaurar o neofascismo na Itália. Até agora não fez praticamente nada – inclusive o que seus eleitores esperavam.

Ao longo da semana passada, desembarcaram em Lampedusa 14 mil clandestinos. A população da ilha é de 6 mil pessoas. Há vídeos de estradas bloqueadas por imigrantes com pedaços de pau na mão, exigindo ser mandados para o continente. Dá para imaginar a situação de desespero e revolta dos habitantes.

Em escala muito maior, o fenômeno se repete na fronteira dos Estados Unidos com o México. A imigração descontrolada, mesmo em direção a um país que tem fome de mão de obra, é um dos motivos dos índices altos de desaprovação ao governo de Joe Biden.

E quanto mais Biden cai, mais sobe Donald Trump. A turma do centro para a esquerda tem calafrios, embora frequentemente não analise a fundo os motivos do que está sendo chamado de “nova onda da extrema direita”.

Continua após a publicidade

É a perspectiva dessa ascensão que levou a revista The Economist a falar numa “nova onda de populismo ultradireitista na Europa”.

A revista coloca no mesmo balaio um partido extremo, como o Alternativa para a Alemanha, simpatizante da Rússia de Vladimir Putin, com a direita conservadora do Partido da Lei e da Justiça da Polônia. O partido polonês, um dos mais sólidos do mundo na oposição ao neoimperialismo russo, está à frente nas pesquisas para continuar no poder depois da eleição geral de outubro.

Outros países onde há movimentos da direita populista: França, Holanda, Bélgica, Suíça, Áustria, Hungria, Suécia e Finlândia. Mais “Portugal, Romênia e Espanha”, que “durante décadas não tiveram grandes partidos nacionalistas”.

Passando para outro continente, o Chile tem um presidente de extrema esquerda, mas uma direita populista forte, e Nayib Bukele deu um novo sentido à expressão “mão dura contra o crime”. E, acima de tudo, Javier Milei chegou na Argentina para espantar o senso comum e a ideia de que peronistas e a oposição tradicional jamais mudariam a dinâmica política.

Continua após a publicidade

Se a Argentina não tivesse mais de 100% de inflação, existiria um Milei? Se as gangues do crime não controlassem El Salvador, a repressão sem precedentes comandada por Bukele conseguiria mais de 90% de aprovação popular? E Trump estaria de volta com uma economia esplendorosa, um presidente cheio de gás e a imigração controlada?

Outro fator que move a direita populista é a “descarbonização na marra”, às vezes com medidas absurdas, como na Holanda, onde o governo quer reduzir a criação de animais de corte simplesmente eliminando fazendas de pecuária. Ou os donos aceitam vender suas terras ou se ferram do mesmo jeito. Resultado: produtores agrícolas desceram dos tratores que usavam para fazer protestos nas estradas e formaram um partido que se tornou o mais votado em eleições regionais.

O maximalismo verde também está propelindo no Canadá o líder oposicionista Pierre Poilievre, principalmente depois da perseguição promovida pelo bonitão Justin Trudeau aos caminhoneiros que não queriam ser obrigados a se vacinar contra a Covid. Como estamos falando do Canadá, ele é um populista moderado. “Para cada dólar gasto pelo governo federal, Poilievre exigiria cortes em alguma outra despesa”, anotou o político. “Ele enfatiza programas de tratamento para drogados em lugar da descriminalização. Quer exportar mais combustíveis fósseis, mas também endossa a energia renovável”.

“Parece estar construindo uma coalizão que faça a ponte entre populistas e conservadores sociais com moderados de centro-direita.”

Continua após a publicidade

Seria um feito espetacular nessa era de radicalização. O Canadá certamente não é o único país que precisa de uma direita, ou centro-direita, com apelo mais amplo, menos toxicidade e líderes que mostrem serviço e sejam capazes de suscitar pelo menos algo mais do que o mau humor habitual da Economist com tudo que esteja no espectro direitista.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.