Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Um bom sinal vindo do Superior Tribunal Militar e das Forças Armadas

Será muito bom se isso continuar...

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 27 abr 2023, 20h59 - Publicado em 27 abr 2023, 19h20

Não acreditava que fosse viver para ver um elogio feito por um presidente do Superior Tribunal Militar ao meu trabalho numa entrevista para a minha mãe, Miriam Leitão.

A vida, contudo, também é boa por isso. Por essa capacidade de nos surpreender e de permitir que o passar dos dias nos mostre o desenrolar da História.

Como filho de torturados da ditadura e autor do livro Em Nome dos Pais, aguardo um pedido de desculpas das Forças Armadas – Exército, Marinha e Aeronáutica.

Mas no programa da Globonews o que eu ouvi foi o presidente do STM elogiar minha pesquisa, dizendo que mais jornalistas deveriam ir à Justiça Militar fazer o mesmo: “De 1914 a 1989, tudo, absolutamente tudo, o que temos no Tribunal está aberto aos nossos historiadores, aos nossos acadêmicos, para aqueles interessados”.

Essa abertura eu experimentei quando fui fazer meu livro. Agradeci publicamente a Corte, há seis anos. 

Continua após a publicidade

Agora, quando digo que espero o pedido de desculpas, não é no sentido de impor alguma humilhação aos militares, ou a essas importantes instituições que são as Forças Armadas, mas porque é assim que se reconstrói um país que passou para um regime de exceção.

Sem ele, repetiremos outras vezes esse horror de rasgar acordos internacionais, valores universais e princípios civilizatórios, como vimos ocorrer recentemente, nesses últimos quatro anos.

Fazer chacota de uma mulher grávida, que, aos 19 anos, foi barbaramente torturada é coisa de gente perversa e desconectada de todos os valores humanos. Lembro que isso foi feito pelo então presidente da República Jair Bolsonaro e pelo filho dele, o deputado federal Eduardo Bolsonaro.

Obrigado, brigadeiro Joseli Camelo, pelas palavras sobre o meu livro, meu trabalho como repórter e filho.

Continua após a publicidade

Vejo avanços na sua postura. Iniciativas como essa mostram uma face moderna das Forças Armadas, que quer a pacificação nacional e a profissionalização.

Como país, brigadeiro, o Brasil perdeu a chance de punir os seus torturadores. Mas ainda há tempo para esse pedido de desculpas.

É preciso ter força para dizer “eu errei”, ou “me perdoa”, expondo nossas piores faces. Como militar com uma longa carreira, o senhor sabe disso.

Não falo por outros parentes daqueles que tiveram seus direitos mais elementares violados entre 1964 e 1985, inclusive em quartéis do Exército. Mas eu, Matheus Leitão Netto, preciso desse pedido de desculpas por dois motivos: abraçar meus pais, Marcelo e Miriam, sob uma nova realidade e, um dia, quem sabe, acreditar que meus filhos, Mariana e Daniel, viverão em um país no qual essas coisas jamais se repetirão.

Continua após a publicidade

PS – O senhor pode ser essencial nisto. Fica aqui a minha tréplica, com mais um agradecimento ao Superior Tribunal Militar.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.