Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Os evangélicos e a nova mentira de Bolsonaro

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 25 mar 2022, 10h21 - Publicado em 24 mar 2022, 10h16

Maior adepto das fakenews de todos os políticos brasileiros, Jair Bolsonaro manteve sua sanha nesta quarta-feira, 23, de mentir sem que o seu rosto fique nem ruborizado. Tudo bem que político é assim mesmo. Mas o atual presidente parece viver na mentira.

Em Quixadá, no interior do Ceará, Jair Bolsonaro afirmou que “são três anos e três meses sem qualquer denúncia de corrupção em nossos ministérios”. Isso, em meio à escandalosa cobrança de propina por pastores aliados dele no ministério da Educação.

Quem acompanha Brasília há mais tempo sabe que os evangélicos volta e meia estampam as paginas policiais. A CPI dos sanguessugas, por exemplo, provou, em 2006, que a bancada recebeu 58% do total da propina repassada a parlamentares pela máfia das ambulâncias,

Desta vez, é diferente. E pior.

Pastores evangélicos sem cargos públicos negociam transferência de recursos do MEC, cobrando propina e até ouro para a liberação de recursos federais em obras como creches, escolas, quadras ou apenas para compra de equipamentos de tecnologia.

Continua após a publicidade

O áudio revelado por Paulo Saldaña, da Folha, torna o escândalo ainda mais grave porque o ministro Milton Ribeiro afirma priorizar, a pedido de Jair Bolsonaro, a liberação de verbas para prefeituras negociada por esses dois pastores, Gilmar Santos e Arilton Moura

“Foi um pedido especial que o presidente da República fez para mim sobre a questão do [pastor] Gilmar”, diz o ministro na conversa gravada que chocou o país – especialmente pela desfaçatez de um líder religioso falando de outros dois líderes religiosos e do mandatário máximo do país.

Mas, Bolsonaro mantém a cantilena falaciosa de que “não há escândalo de corrupção” na sua gestão do governo federal, que começou em 2019.

Durante a eleição de 2018, o presidente repetiu o versículo João 8:32 exaustivamente em sua campanha – era todo o dia nas redes sociais, em entrevistas, lives, discursos e verborragias: “E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará”.

Continua após a publicidade

Tenho a impressão que é o único versículo que o presidente decorou. Não importa agora.

O importante é que, no governo Bolsonaro, o presidente da República mente descaradamente e pastor cobra até ouro para liberar verba do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, o FNDE.

É esperar que o povo brasileiro, conhecendo a verdade, dê uma lição para Bolsonaro e para líderes evangélicos: “o ímpio acerta o suborno em secreto, para perverter as veredas da justiça”.

Que as urnas de 2022 façam justiça.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.