Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Os evangélicos e a nova mentira de Bolsonaro

Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 25 mar 2022, 10h21 - Publicado em 24 mar 2022, 10h16

Maior adepto das fakenews de todos os políticos brasileiros, Jair Bolsonaro manteve sua sanha nesta quarta-feira, 23, de mentir sem que o seu rosto fique nem ruborizado. Tudo bem que político é assim mesmo. Mas o atual presidente parece viver na mentira.

Em Quixadá, no interior do Ceará, Jair Bolsonaro afirmou que “são três anos e três meses sem qualquer denúncia de corrupção em nossos ministérios”. Isso, em meio à escandalosa cobrança de propina por pastores aliados dele no ministério da Educação.

Quem acompanha Brasília há mais tempo sabe que os evangélicos volta e meia estampam as paginas policiais. A CPI dos sanguessugas, por exemplo, provou, em 2006, que a bancada recebeu 58% do total da propina repassada a parlamentares pela máfia das ambulâncias,

Desta vez, é diferente. E pior.

Pastores evangélicos sem cargos públicos negociam transferência de recursos do MEC, cobrando propina e até ouro para a liberação de recursos federais em obras como creches, escolas, quadras ou apenas para compra de equipamentos de tecnologia.

O áudio revelado por Paulo Saldaña, da Folha, torna o escândalo ainda mais grave porque o ministro Milton Ribeiro afirma priorizar, a pedido de Jair Bolsonaro, a liberação de verbas para prefeituras negociada por esses dois pastores, Gilmar Santos e Arilton Moura

Continua após a publicidade

“Foi um pedido especial que o presidente da República fez para mim sobre a questão do [pastor] Gilmar”, diz o ministro na conversa gravada que chocou o país – especialmente pela desfaçatez de um líder religioso falando de outros dois líderes religiosos e do mandatário máximo do país.

Mas, Bolsonaro mantém a cantilena falaciosa de que “não há escândalo de corrupção” na sua gestão do governo federal, que começou em 2019.

Durante a eleição de 2018, o presidente repetiu o versículo João 8:32 exaustivamente em sua campanha – era todo o dia nas redes sociais, em entrevistas, lives, discursos e verborragias: “E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará”.

Tenho a impressão que é o único versículo que o presidente decorou. Não importa agora.

O importante é que, no governo Bolsonaro, o presidente da República mente descaradamente e pastor cobra até ouro para liberar verba do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, o FNDE.

É esperar que o povo brasileiro, conhecendo a verdade, dê uma lição para Bolsonaro e para líderes evangélicos: “o ímpio acerta o suborno em secreto, para perverter as veredas da justiça”.

Que as urnas de 2022 façam justiça.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)