Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

O que revela a entrevista de Jair Bolsonaro após a condenação

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 14 Maio 2024, 00h31 - Publicado em 2 jul 2023, 13h01

Jair Bolsonaro, ex-presidente da República que teve seus direitos políticos cassados, falou aleivosias a jornalistas na sexta, 30, durante o julgamento do Tribunal Superior Eleitoral. 

Em Belo Horizonte para acompanhar o velório do ex-ministro da Agricultura Alysson Paolinelli e se reunir com apoiadores do Partido Liberal, Bolsonaro deu entrevista enquanto o placar ainda estava 4 a 1.

Já calculando que o resultado seria 5 a 2 – o que de fato foi -, o líder da extrema-direita tentou se mostrar otimista, mas com as ironias e críticas às instituições de praxe.

Disse acreditar que essa seja a primeira condenação de um político por abuso de poder, frisando que o crime cometido por ele havia sido “sem corrupção” (Emoji com o olho para cima).

Bolsonaro aproveitou também para criticar o TSE e sua atuação durante o último processo eleitoral. Relembrou que o tribunal o impedira de fazer lives (aquelas transmissões que espalhavam fakenews) “em sua residência”, esquecendo que o Palácio da Alvorada é um prédio público, da sociedade brasileira.

Continua após a publicidade

Sobre o 8 de janeiro (ato que foi estimulado por ele durante todo seu mandato), disse que “ninguém quer dar golpe com senhorinhas e senhorzinhos com a bandeira do Brasil nas costas” e completou: “quem fala em golpe é analfabeto político”.

Não, não é Bolsonaro!

As Forças Armadas – em parte, hoje, um braço armado do bolsonarismo – já deram o golpe no passado “pelo povo na rua, povo de verdade, pais, mães, igreja” para se defender da “ameaça do comunismo”, o que não era real.

O que Bolsonaro – esse mesmo que nega toda a ciência política contemporânea sobre regimes de exceção no mundo ao defender que, entre 1964 e 1985, o Brasil não teve uma ditadura – queria era outro. Outro golpe!

Continua após a publicidade

Quando questionado sobre a possibilidade de entrar com recurso, respondeu: “meu recurso é no STF”, relembrando com gestos o que ele pensa das instituições.

Por fim, sobre seu futuro na política, afirmou não estar morto. Deixou claro que já pensa nas próximas eleições e que continuará atuando nos bastidores. Tanto é verdade que eu já saiu de lá para se reunir com a direção do PL. 

Bolsonaro pode ter sido condenado, perdido os direitos políticos, mas o bolsonarismo – movimento radical de extrema-direita comandando por ele – não vai acabar tão cedo. 

Ainda mais com um líder maléfico como esse!

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.