Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O novo tiro de Bolsonaro contra Fachin, que saiu pela culatra 

Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 21 jun 2022, 10h03 - Publicado em 16 jun 2022, 13h01

O presidente Jair Bolsonaro continua a se esquivar dos assuntos que incomodam e a criar factoides para desviar o foco daquilo que realmente importa: o fracasso do seu governo.

Em sua última atuação, o presidente atacou Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), insinuando que a decisão de proibir a entrada da polícia em morros do Rio de Janeiro foi uma colaboração com o narcotráfico.

“No morro do Rio, onde o Fachin disse que a polícia não pode entrar, nem sobrevoar helicópteros, está cheio de fuzis. Virou lá um refúgio da bandidagem do Brasil todo. Parabéns, ministro Fachin! Tremenda colaboração com o narcotráfico, bandidagem de maneira geral. É justo, meus senhores, o ministro Fachin, que tirou Lula da cadeia, estar à frente do processo eleitoral?”, questionou o presidente.

Em uma única fala, três ataques graves.

Primeiro, disse que o ministro contribuiu com o narcotráfico. Segundo, que tirou Lula da cadeia (algo que o presidente já havia dito antes). Terceiro, um questionamento sobre a capacidade de Fachin, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de conduzir as eleições de 2022.

A resposta veio com rapidez e precisão. Sem citar nomes, Fachin afirmou nesta quarta, 15, que mentes autoritárias lançam desinformações para deseducar.

“É convocatório o tempo do agora. Mentes autoritárias assacam desinformações para deseducar. Cabe às mentes democráticas vigiar e educar para a paz cidadã”, afirmou.

Continua após a publicidade

O ministro está certo.

O que Bolsonaro quer é criar polêmica com mentiras e ataques infundados. Dessa vez, o objetivo é tentar desviar o foco de um assunto que ganhou destaque inclusive no cenário internacional.

O governo foi e continua sendo muito pressionado a dar respostas sobre o assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips, na região da Amazônia. Sempre que é questionado sobre o assunto, Bolsonaro tenta sair pela tangente de forma covarde.

Chegou a dizer o absurdo de que o que o jornalista e o indigenista estavam fazendo era uma “aventura que não é recomendável que se faça”.

Enquanto acusa Fachin de colaborar com o narcotráfico, Bolsonaro ignora o fato de que seu governo tem uma política quase inexistente de proteção ao meio ambiente, e que isso, sim, abriu as portas para o aumento dos crimes na Amazônia, incluindo o próprio narcotráfico.

Nesta semana, contudo, o presidente tentou criar  cortinas de fumaça – como este ataque contra Fachin – mas o tiro saiu pela culatra.

O novo ataque de Bolsonaro contra o presidente do TSE não teve o efeito que ele, Bolsonaro, gostaria. Uma derrota para o presidente e sua estratégia de comunicação.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)