Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O duro recado de Simone Tebet para Renan Calheiros e Eunício

Ou... como a candidata à presidência usou João Doria para enviar recados a caciques do MDB

Por Matheus Leitão Atualizado em 30 Maio 2022, 17h35 - Publicado em 24 Maio 2022, 13h35

Alçada ao protagonismo político da “terceira via” com desistência de João Doria, Simone Tebet aproveitou o momento em que afagava o ex-governador de São Paulo para mandar um duro recado para caciques do MDB contrários a sua candidatura à presidência.

Assim que Doria anunciou a desistência, Tebet afirmou em nota que o tucano nunca foi adversário, e sim aliado. Em seguida, aproveitou o momento para – em Cuiabá, onde cumpria agenda da pré-candidatura ao Planalto – criticar principalmente Renan Calheiros, mas também Eunício Oliveira.

 “O que fez com que o MDB diminuísse no Nordeste e não no Sul. Vamos lembrar que nós temos que fazer uma mea culpa e fazemos, o MDB esteve envolvido em escândalos do petrolão. O que diminui um partido não é o fato de se ter candidatura própria, ao contrário”, disse Simone Tebet.

Renan e Eunício, como lembrou VEJA no mês passado, responderam ou ainda respondem a processos criminais ligados à operação Lava Jato, que apurou corrupção na estatal do petróleo cometendo abusos, segundo o Supremo Tribunal Federal.

De acordo com interlocutores da presidenciável ouvidos pela coluna, passou despercebido pela imprensa o contra-ataque, mas era dos dois que Simone Tebet se referia ao dizer que o partido precisava fazer “mea culpa” e que “o MDB esteve envolvido em escândalos do petrolão”.

O alagoano Renan Calheiros tem defendido publicamente que o MDB não tenha candidatura própria e que o partido apoie Lula – ele mesmo já tem feito isso, postando o jingle “Lula lá” e dizendo que o ex-presidente é um “estadista” que mostra ser “possível dar a volta por cima”.

O cearense Eunício Oliveira fez um jantar para Lula em sua casa no mês passado, convidando diversas lideranças partidárias emedebistas e de outras legendas. Além disso, questionou a liberação dos R$ 417 milhões do fundo partidário para “uma candidatura que não tem viabilidade”.

Na política, não há espaço vazio.

Com a saída de João Doria do páreo – após o erro histórico do PSDB, diga-se de passagem -, Simone Tebet avança em busca do eleitorado que não quer nem Lula e Bolsonaro, e aproveita para responder caciques do próprio partido que têm minado sua candidatura há meses.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)