Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Por que, sem João Doria, o PSDB deu seu maior tiro no pé

Ou... Como foi articulada a "desistência" do ex-governador de São Paulo

Por Matheus Leitão Atualizado em 30 Maio 2022, 17h37 - Publicado em 23 Maio 2022, 13h44

Que triste Brasil é este que expurga da disputa presidencial um nome que realizou um bom governo em São Paulo, que resolveu a questão da vacina na pior pandemia em 100 anos e ajudou na recuperação econômica do país após um estado de guerra?

João Doria sai da disputa e deve distanciar-se um pouco da política, segundo informado à coluna.

Fica o PSDB, um partido que rasgou o compromisso com a democracia feito por nomes como Fernando Henrique Cardoso, Franco Montoro e Mário Covas, ao não respeitar as próprias prévias partidárias. E democráticas, diga-se de passagem.

Desde a semana passada a situação vinha se agravando para Doria.

Conto os bastidores abaixo:

Na reunião com a Executiva do PSDB, todos os pré-candidatos aos governos do Estado pelo partido, Pedro Cunha Lima, da Paraíba, Raquel Lyra, de Pernambuco, e Eduardo Riedel, de Mato Grosso do Sul, fizeram um apelo para Joao Doria não ser candidato à presidência.

Nessa mesma reunião, segundo apurou a coluna, parlamentares de São Paulo disseram que não queriam continuar com Doria à frente da candidatura. Até mesmo os paulistas.

Você, leitor, pode se perguntar: mas com tantos políticos do próprio partido contra, por que continuar?

Primeiramente, esses políticos estavam ali, numa reunião em que Doria não participou, fazendo cena interna para gerar o que aconteceu hoje: a desistência do ex-governador de São Paulo. Naquele momento, estavam dando essas declarações a mando de Bruno Araújo, e de seus aliados internos, como Aécio Neves e Eduardo Leite.

Bruno Araújo, aliás, quase não falou esse dia da reunião da Executiva Nacional. Ficou em silêncio, mas era tudo combinado para depois ele dizer para a imprensa, nos bastidores, que não era uma questão só dele, a de querer impedir João Doria de continuar.

O PSDB, em sua tradição democrática, já construiu outras candidaturas que não tinham todo apoio interno, como a de José Serra, em 2002 e até em 2010 ou de Geraldo Alckmin, em 2018.

Continua após a publicidade

Mesmo assim, seguiram em frente.

Sim, perderam a eleição – mas mantiveram-se como forte oposição e com os valores que o levaram a dirigir os destinos do país em um passado agora distante.

A rejeição política de João Doria deveria ter sido resolvida internamente, com diálogo e acertos estaduais, como sempre se fez no Brasil, incluindo entre os tucanos.

Sim, partidos são partes, fato, e não um consenso – se não, não chamaria partido. Mas se há uma legenda mais dividida que o PSDB no mundo, desconheço.

Era preciso que políticos com valores, como esses que um dia lideraram o partido, lutassem e trabalhassem para manter a candidatura do ex-governador de São Paulo.

E era também não só a melhor decisão, mas a decisão correta.

Nesta segunda-feira, 23, ao empurrarem João Doria – o pai da vacina contra a Covid-19 – para fora da disputa, acabam por dar o maior tiro no pé em sua história política. Podem me cobrar um dia por esta frase.

O PSDB liberará alguns estados a seguirem seu próprio caminho – nesses lugares, alguns deles – seus candidatos apoiarão Jair Bolsonaro (vejam que vergonha). Em outras, manterão a aliança, que deverá ser feita principalmente com o MDB, de Simone Tebet – se não houver novas traições tucanas.

Todo esse imbroglio foi organizado por Bruno Araújo, que é quem, como presidente do PSDB, ficará lembrado por ter rasgado não só o estatuto do partido, mas o compromisso histórico da legenda com a democracia.

Se fosse por medo de ter poucos votos com uma candidatura de João Doria, nada pode ser pior que o fiasco de Geraldo Alckmin em 2018, que teve apenas 4 milhões de eleitores apoiando o projeto tucano.

O Brasil continua polarizado, como naquela época, mas Doria teria mais votos. E faria melhor para a campanha de 2022 que esse novo acerto do PSDB – o partido que agora não é só posto como coadjuvante na política pelos eleitores, mas também por escolha própria de buscar a uma pequenez sem tamanho.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)