Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Como as mulheres viraram o jogo na CPI

Estratégia de ocupação deu certo para mulheres que haviam sido deixadas de lado

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 6 jul 2021, 11h47 - Publicado em 6 jul 2021, 08h54

As mulheres viraram o jogo na CPI da Covid. A polêmica gerada no início dos trabalhos da comissão pela ausência de mulheres como integrantes do grupo motivou as senadoras a adotarem uma estratégia de ocupação que deu certo.

Como a coluna mostrou em abril, já havia uma intenção das mulheres de participar dos trabalhos da comissão.

Mais de dois meses depois do início das oitivas, o resultado é visível: as parlamentares se organizaram e superaram, inclusive, divisões partidárias para garantir presença nas sessões. Hoje, sempre há alguma senadora participando de forma importante durante os depoimentos.

Um dos momentos mais importantes da CPI até agora aconteceu após uma pergunta da senadora Simone Tebet (MDB-MS), que pressionou o deputado Luís Miranda (DEM-DF) até ele admitir que o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR) era o responsável por arrochar o Ministério da Saúde para a compra da Covaxin. Segundo Miranda, o presidente Jair Bolsonaro sabia das negociações na pasta.

LEIA TAMBÉM: ‘É deplorável’, diz Simone Tebet sobre gritos de Bolsonaro com jornalista

Continua após a publicidade

Além de Simone, outras senadoras têm se destacado na comissão. Eliziane Gama (Cidadania-MA) chegou a presidir uma das sessões por um período após determinação do presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM) e foi decisiva durante o depoimento do policial militar Luiz Paulo Dominguetti. As senadoras Leila Barros (PSB-DF) e Mara Gabrilli (PSDB-SP) também deram contribuições importantes em suas participações.

Até mesmo parlamentares da direita têm reforçado os trabalhos da CPI, como Soraya Thronicke (PSL-MS), que faz perguntas sempre objetivas nas sessões das quais participa.

Deixando para trás o fato de que as mulheres não têm voto nessa comissão, é importante dizer que elas garantiram o direito à voz e têm sido fundamentais para desvendar os erros cometidos pelo governo na aquisição das vacinas contra a Covid-19.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.