Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Bolsonaro teve que mudar uma atitude no caso Bruno e Dom

Twitter usado para piadas teve que dar espaço para mensagem solidária

Por Matheus Leitão Atualizado em 21 jun 2022, 10h02 - Publicado em 17 jun 2022, 21h31

A tragédia terrível envolvendo a morte de Bruno Pereira e Dom Phillips obrigou o presidente Jair Bolsonaro a dar um passo atrás em sua estratégia de campanha.

O mesmo Twitter usado massivamente por ele para lacrar e fazer piadinhas teve que abrir espaço para uma mensagem de solidariedade às famílias de Bruno e Dom, algo inimaginável. “Nossos sentimentos aos familiares e que Deus conforte o coração de todos”, escreveu o presidente.

Bolsonaro teve que ceder, mas não foi por vontade própria. A pressão internacional sobre o governo no caso foi grande e o presidente se viu obrigado a dizer algo que não fosse uma ironia ou deboche.

Antes da confirmação da morte, ele chegou a dizer que Bruno e Dom estavam em uma aventura “que não é recomendável que se faça”. Um completo absurdo.

A tragédia pega em um calcanhar de Aquiles de Bolsonaro: sua insensibilidade diante da morte, como aconteceu na pandemia, teve que dar lugar a uma mensagem solidária.

Além disso, é inegável que Bolsonaro incentivou o crime na região da Amazônia diminuindo a importância dos indígenas e dando espaço a garimpeiros e traficantes.

A postura do presidente mudou principalmente porque estamos em ano eleitoral.

Bolsonaro voltou a investir no personagem lacrador que deu certo em 2018. Como mostrou uma reportagem da Folha escrita pelas jornalistas Thaísa Oliveira e Marianna Holanda, o presidente ganha engajamento quando ironiza declarações de artistas, como Anitta, e quando faz piada sobre seus adversários políticos.

O plano deu certo em 2018, mas agora Bolsonaro tem contra si um ponto fundamental: em sua campanha há quatro anos, não era ele que estava na presidência, ou seja, os problemas do país não eram colocados na sua conta. Agora, depois de 3 anos de um governo péssimo, ele precisa administrar as críticas enquanto tenta usar a “lacração” para minimizar seus graves erros.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)