Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Bruno Pereira denunciou que presidente da Funai trabalha para ruralistas

Em áudio exclusivo da coluna, indigenista revela o que pensa sobre Marcelo Xavier e também que Damares ajudou a manter evangélicos na fundação; Ouça

Por Matheus Leitão Atualizado em 21 jun 2022, 10h03 - Publicado em 17 jun 2022, 13h00

Ao ser exonerado em 2019 da Coordenação-Geral de Índios Isolados e de Recente Contato (CGIIRC) da Funai, Bruno Pereira foi substituído pelo pastor Ricardo Lopes Dias, um missionário que não compreendia a política de zero contatos com esses povos originários moradores do Vale do Javari, onde o indigenista foi assassinado.

Interações com esses povos no passado levaram a tragédias, ocasionando morte de até 70% da população de tribos por doenças como gripe ou sarampo, porque eles não têm imunidade para os vírus e bactérias com os quais os não indígenas convivem. A Funai aprendeu com os próprios erros até que compreendeu e colocou em prática a política de zero contato – isso, na década de 80.

Com o novo diretor no cargo, o risco era de romper com a política bem sucedida de não contato. Essa era uma das grandes preocupações de Bruno Pereira, que diversas vezes trouxe essa pauta à coluna.

Nesse áudio revelador Bruno Pereira demonstra não só que a ala ideológica da extrema-direita, comandada por Bolsonaro, tomou de assalto a Funai, mas que Ricardo Lopes Dias “não entregava os produtos” que o presidente da Fundação, Marcelo Xavier, ligado aos ruralistas, queria em terras indígenas.

Por isso, depois de muita pressão, o pastor fundamentalista começou a balançar no  posto. Essa conversa foi gravada poucas semanas antes de Ricardo Lopes Dias deixar o cargo à frente da CGIIRC, como mostrou a coluna na época.

Ouça Bruno Pereira abaixo:

“Na Funai, ele [Ricardo Lopes Dias] é motivo de chacota. Quem segura ele é a bancada evangélica, junto com a Damares, né? E já estava se construindo, o cara deixando na mão, um bombardeio danado na questão dos índios isolados. [Ele] não sabe nem como lidar. E eu acho, aqui de bastidores também, que ele não entrega o que o presidente [Marcelo Xavier] quer, os produtos que o presidente quer. O presidente é ligado aos ruralistas, né? E aí entram os empreendimentos, assim assado, não é? Então o cara [Ricardo Lopes Dias] está ‘sobrecado’”.

Continua após a publicidade

Neste segundo trecho (ouça o primeiro aqui) de gravação publicado pela coluna, o indigenista também revela o trabalho  nos bastidores da pastora Damares Alves, ex-ministra dos Direitos Humanos para manter o missionário Ricardo no cargo. O pastor ficou na área de Índios Isolados e de Recente Contato por nove meses, entre fevereiro e novembro de 2020.

A colunadenunciou que Marcelo Xavier trabalhava por ruralistas dentro da Funai. Saiba mais aqui.

GRAVAÇÕES

A coluna tem conversas gravadas com o indigenista Bruno Pereira sobre a situação de risco no Vale do Javari, os muitos erros e as diversas perseguições que aconteceram nos últimos anos na Fundação Nacional do Índio.

As conversas ocorreram a meu pedido e são o resultado da relação de confiança estabelecida entre um jornalista e uma fonte que, por vários anos, trocaram informações, principalmente durante o governo Jair Bolsonaro, quando a crise da Funai se agravou.

A coluna trará trechos neste espaço porque os alertas do Bruno elucidam o ambiente de crime que este governo permitiu que se espalhasse pela Amazônia, e também são uma radiografia do cotidiano desse desmonte institucional na Fundação.

Na época que conversamos era para a não divulgação da fonte, mas agora a voz do Bruno é ainda mais importante para elucidar os graves fatos na região amazônica – mais especificamente no Vale do Javari, dominado por criminosos.

Trata também do custo para os país do desmantelamento da Funai no governo Bolsonaro, com a ausência do Estado e, agora, a crueldade cometida contra o indigenista e o jornalista Dom Phillips.

Por isso, esta coluna não deixará que as denúncias de Bruno Pereira morram com ele.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)