Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Argentina ainda tem a chance de evitar o pior

Futuro imediato do vizinho sul-americano precisará do difícil entendimento entre peronismo e a direita democrática

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 10 Maio 2024, 08h26 - Publicado em 22 out 2023, 10h00

O cenário mais provável para este domingo, 22, é a de que a eleição na Argentina leve ao segundo turno o candidato da extrema-direita, Javier Milei, e um dos dois candidatos que chegaram nessa competitiva reta final: Sergio Massa, do peronismo, e Patricia Bullrich, da direita tradicional do ex-presidente Maurício Macri.

Poucas pesquisas dão a possibilidade de que Milei ganhe no primeiro turno. Portanto, mesmo sendo um cenário menos provável, não está descartado.

Tendo segundo turno, a Argentina tem a chance de evitar o histriônico Javier Milei – com sua plataforma confusa e suas manipulações da palavra “liberdade” para tentar esconder que ele é da safra de políticos na qual se insere Jair Bolsonaro: atentam contra as instituições democráticas, uma vez eleito.

Se Massa ou Bullrich conseguirem avançar ao segundo turno, seja qual for o resultado de hoje, pode-se ainda evitar esse pulo no escuro. Para isso, o peronismo e a direita tradicional não podem continuar desunidos ou sem a noção do risco que corre o país. Caso mantenham a toada dos últimos meses, o segundo turno está dado.

No Brasil de 2018… foi esse o enredo: a direita tradicional e a centro-direita apoiaram Bolsonaro e assumiram esse risco de um extremista no poder.

Continua após a publicidade

Dada a alergia que a direita democrata na Argentina tem do peronismo, o grupo de Bullrich pode correr para Milei achando que, assim, vão “moderar” o extremista. Dada a inflexibilidade política do peronismo, dificilmente eles aceitarão apoiar outro grupo.

Essa realidade nos levará ao pior cenário bem definido pelo clássico da música popular, muito conhecido, composto para a ópera “Evita”, por Andrew Lloyd Webber e Tim Rice: “Não chore por mim, Argentina”.

No caso, se poderá dizer “Chore por ti, Argentina”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.