Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

A pena irrisória do coronel que xingou generais por golpe no 8 de Janeiro

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
23 nov 2023, 13h14

Presente na Praça dos Três Poderes nos atos golpistas de 8 de Janeiro, o coronel Adriano Testoni foi condenado pela Justiça Militar a apenas 48 dias de detenção por injúria contra as Forças Armadas.

Completamente descontrolado ao lado da mulher, o coronel postou um vídeo nas redes sociais no qual xinga alguns generais de sua turma de origem no Exército de “filhos da p*”, “covardes” e “merdas”, assim como toda a cúpula da força.

“Forças Armadas filhas da p…, bando de generais filhos da p…, vanguardeiros de merda. Covardes. Olha o que está acontecendo com a gente. Freire Gomes (ex-comandante do Exército), filho da p… Alto Comando do c… Vão tudo tomar no c…”, grita o coronel nas imagens, irritado com o fato de as Forças Armadas não apoiarem um golpe de Estado.

Testoni trabalhava como assessor da Divisão de Coordenação Administrativa e Financeira do Hospital das Forças Armadas, em Brasília, e acabou exonerado do cargo. 

Segundo a denúncia, coronel também xingou seus superiores hierárquicos, os generais Carlos Duarte Pontual de Lemos, Cristiano Pinto Sampaio e Pedro Celso Coelho Montenegro, em outros dois vídeos enviados em grupos de WhatsApp.  

Continua após a publicidade

Testoni acabou sendo julgado apenas pela Justiça Militar porque as investigações sobre o 8 de janeiro não conseguiram comprovar sua participação nas depredações das sedes dos poderes da República. 

Por isso, o caso dele não está sendo julgado no Supremo Tribunal Federal como outros mais de mil golpistas que participaram dos atos golpistas de 8 de janeiro. 

Pelos xingamentos, Adriano Testoni poderia ter uma pena de até 6 meses, mas ficará apenas 48 dias detido em quartel. Quem conhece o dia a dia dessas detenções sabe que não é bem uma prisão. 

O coronel que xingou seus superiores em meio ao “dia da infâmia” já estará livre pelas ruas de Brasília.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.