Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

A bomba que pode estourar no colo de Lula com a crise do Equador

Ao oferecer PF para ajudar vizinho sul-americano, presidente brasileiro pode ver crítica sobre sua atuação internacional aumentar

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 Maio 2024, 16h59 - Publicado em 10 jan 2024, 19h20

O presidente Lula quis usar sua experiência de anos como governante neste terceiro mandato para tentar se consolidar como player global nas negociações de conflitos de todos os tipos ao redor do mundo. Mas é a América Latina que exige toda a atenção do governo nos últimos meses.

Após a crise da Venezuela com a Guiana, na qual a gestão petista teve que dizer claramente para Nicolás Maduro que não aceitaria a passagem das forças militares pelo território brasileiro em direção à Essequibo, o conflito diminuiu de intensidade.

Ocorre que os problemas não acabaram por aí.

Há alertas de confrontos entre as forças do estado e opositores na Argentina com o agravamento das crises econômica e política. E, agora, surge o descontrole na segurança no Equador, que tem instituições bem mais fracas que as brasileiras.

Guayaquil vive uma escalada de violência com o presidente equatoriano, Daniel Noboa, baixando um decreto em que reconhece a existência de um conflito armado interno no país. Na prática, o que ele está dizendo é que reconhece uma guerra civil.

Continua após a publicidade

Um dos tristes dados desse contexto vivido no Equador é o mesmo do Brasil: o crime organizado ficando cada vez mais forte. O país governado por Lula deve olhar o Equador como um alerta contra o crime organizado em solo nacional. Mas a gestão petista decidiu colocar a Polícia Federal brasileira à disposição para ajudar a combater criminosos equatorianos.

Isso é um problema porque, na verdade, temos hoje várias crises internas. Facções brasileiras entraram e já estão atuando fortemente na Amazônia – isso sem contar a atuação antiga no Rio de Janeiro em que parte do território está sob domínio do crime organizado.

O presidente já estava sendo criticado por excessivas viagens internacionais. Agora, devem surgir novas desaprovações com a decisão de colocar a PF à disposição do Equador enquanto no Brasil vê situações semelhantes em estados do Norte, Nordeste e Sudeste.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.