Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Qual será o destino do Porto de Santos após a polêmica da privatização

Discussão sobre a conveniência do processo de desestatização colocou em lados opostos os governos estadual e federal

Por Da Redação Atualizado em 9 Maio 2024, 19h47 - Publicado em 28 nov 2023, 16h39

O governador Tarcísio de Freitas enfrenta em São Paulo nesta terça, 28, novas greves políticas no Metrô, na CPTM e na Sabesp provocadas pelos sindicatos dessas categorias, que protestam contra o plano do Palácio dos Bandeirantes de privatizar a estatal de saneamento básico. Apesar da pressão, Tarcísio garante que não vai recuar daquela que é uma das principais promessas de campanha. Em sua defesa da necessidade de acelerar processos de desestatizações, no entanto, Tarcísio discretamente abandonou outro plano nessa direção, que acabou fazendo água: a tentativa de entregar à iniciativa privada o Porto de Santos, o maior da América Latina. Enquanto ministro do governo de Jair Bolsonaro, ele começou a conceber o projeto, usando argumentos como o de que o processo traria investimentos de 20 bilhões de reais ao lugar. Eleito para comandar o estado de São Paulo, deu declarações no início deste ano que lutaria até o fim pela ideia, mesmo com a oposição do governo federal.

Por ordem do presidente Lula, foi dada marcha a ré nos processos de privatização em andamento, incluindo o do Porto de Santos. O governador paulista tentou reverter a situação e chegou a tratar do assunto com os ministros Rui Costa, da Casa Civil e Márcio França (na época em que este chefiava a pasta de Portos e Aeroportos), além de conversar sobre isso com o próprio presidente. Ao perceber que não havia mais espaço para discussão, aos poucos, Tarcísio parou de falar do projeto. Quem pergunta hoje no Palácio dos Bandeirantes sobre o destino do Porto de Santos escuta que é um assunto federal. Na administração do local, por sua vez, a possibilidade de privatização é tratada como assunto encerrado e a excitação do momento se dá em torno das grandes obras que serão realizadas no local.

A joia da coroa do pacote é o túnel submarino que ligará Santos à vizinha Guarujá, facilitando tremendamente uma travessia que é realizada hoje por um conjunto de balsas do século passado. Essa ideia do túnel é discutida há quase cem anos, mas os custos e as intermináveis polêmicas sobre detalhes do projeto impediram seu avanço. Agora, a obra sairá do papel, a um custo de 6 bilhões de reais. Os trabalhos devem começar em 2025 e, segundo as estimativas, tudo estará pronto em quatro anos. Embora tenha perdido a batalha pela privatização do Porto, Tarcísio de Freitas é sócio do governo federal na empreitada, que será viabilizada via uma PPP, cujo edital será publicado em 2024.

túnel
Projeção em computador do túnel Santos-Guarujá (Reprodução/VEJA)

No próximo mês, um evento será realizado no local para fazer o anúncio oficial do pacote, com a presença de Lula. O governo federal, a propósito, vem fazendo propaganda do negócio como um dos destaques do Novo PAC. Chegou-se a cogitar nos bastidores que Tarcísio poderia também comparecer à festividade, de forma a celebrar o acordo firmado entre governos estadual e federal, que, como se sabe, estão em polos políticos opostos. A ideia, no entanto, encalhou, por motivos óbvios. Na época em que chefiava a pasta dos Portos, Márcio França deu atenção especial à ordem de Lula para brecar a tentativa de privatização em Santos. Tarcísio de Freitas atribui a ele a responsabilidade por barrar o projeto.

Continua após a publicidade

Márcio França nomeou para a presidência da autoridade portuária um dos políticos mais próximos a ele, o advogado Anderson Pomini, que foi mantido no cargo pelo novo titular da pasta, Silvio Costa Filho. Coube a Pomini realizar a complicada costura para garantir a viabilidade da construção do túnel Santos-Guarujá. Para chegar a um modelo consensual, foram necessárias dezesseis reuniões, envolvendo prefeituras, operadores portuário, sindicatos, comunidades próximas e lideranças políticas. “A obra vai integrar uma região de 1,6 milhão de habitantes, além de facilitar as atividades e a expansão do Porto, reduzindo a emissão de CO2 e integrando, de imediato, 80 000 trabalhadores que cruzam o Canal todos os dias em barcas, balsas e catraias”, afirmou a VEJA Pomini. Em termos de tempo de travessia, o ganho será imenso. Enquanto a travessia marítima pode levar até 1 hora nos dias mais movimentados, o percurso pelo túnel será percorrido em 1 minuto.

porto
O ministro Silvio Costa Filho e Anderson Pomini, presidente da Autoridade Portuária: obra de 6 bilhões de reais irá sair do papel depois de quase cem anos de discussões (Divulgação/VEJA)

Além da construção do túnel, outra obra que terá grande impacto na vida do Porto será o projeto de revitalização do Parque Valongo, que é um dos bairros mais antigos de Santos e fica dentro da mesma área. Ali há sete armazéns desativados há três décadas que serão restaurados e transformados em um grande complexo de lazer, com bares e restaurantes. A primeira fase do projeto está prometida para 2024. “Será um dos maiores pontos turísticos não apenas da cidade, mas também de todo o estado de São Paulo”, garante Pomini.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.