Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Por que os votos não consolidados no Sudeste podem ajudar a terceira via

São Paulo, Rio e Minas contam com candidatos competitivos que apoiam nomes alternativos a Lula e Bolsonaro; na região, 35% admitem que podem mudar o voto

Por Da Redação Atualizado em 9 Maio 2022, 08h42 - Publicado em 8 Maio 2022, 15h18

Pesquisa Datafolha realizada em março revela que um a cada três eleitores (32%) que hoje apontam um candidato a presidente da República ainda podem mudar o voto até outubro, como mostrou reportagem de VEJA desta semana. Um dado que chama a atenção é que no Sudeste, que concentra quase metade do eleitorado, esse percentual é ainda maior: 35%. E nessa região os dois favoritos, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL), não têm situações confortáveis nos três maiores colégios eleitorais: São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Nesse contexto, a região pode cumprir um papel decisivo numa possível mudança de cenárioPara o governo de São Paulo, Lula vê uma competição entre Márcio França (PSB) e Fernando Haddad (PT), ambos no campo da esquerda, que também são os dois líderes das enquetes estaduais. Bolsonaro, por sua vez, apoia Tarcísio Freitas (Republicanos), que terá uma dura batalha pela frente — diferente do cenário nacional, o PSDB promete ter peso na disputa com a candidatura de Rodrigo Garcia, atual governador e apoiado pela maioria das cidades paulistas (além disso, os tucanos vencem as eleições no estado há 28 anos).

A situação no Rio de Janeiro é parecida. Bolsonaro está fechado com Cláudio Castro (PL), enquanto Lula apoia Marcelo Freixo (PSB). Mas não é de se desprezar a chapa que será apoiada pelo prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes (PSD), por enquanto encabeçada por Felipe Santa Cruz. Ainda é provável que Paes feche uma aliança local com Ciro Gomes (PDT) para que Santa Cruz esteja ao lado de Rodrigo Neves (PDT), ex-prefeito de Niterói e melhor colocado nas pesquisas.

Por fim, em Minas Gerais o favorito é o atual governador, Romeu Zema (Novo), e seu principal concorrente é o ex-prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD). Até o momento, nenhum dos dois se coloca ao lado de Lula ou Bolsonaro no patamar nacional.

“A disputa imprevisível nesses estados abre possibilidades para o crescimento de candidatos alternativos ao Planalto”, avalia Carlos Pereira, cientista político e professor da FGV. Na sua visão, a competitividade de nomes regionais que apoiam presidenciáveis ainda sem protagonismo nas pesquisas nacionais são um fator favorável ao crescimento da terceira via — ainda mais em palanques importantes como os dos três maiores colégios eleitorais do país.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês