Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

PF vai apurar suposta interferência na prisão de Milton Ribeiro

Em mensagem, delegado responsável pela operação diz que investigação foi 'obstaculizada' e cita como exemplo a não transferência do ex-ministro a Brasília

Por Redação Atualizado em 23 jun 2022, 17h33 - Publicado em 23 jun 2022, 16h34

A Polícia Federal anunciou na tarde desta quinta-feira, 23, que vai investigar uma possível interferência indevida na execução da Operação Acesso Pago, que prendeu o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e mirou outros alvos nesta quarta, 22. A ação foi deflagrada no âmbito de investigações sobre a atuação de um gabinete paralelo, composto por dois pastores-lobistas que atuavam informalmente junto à pasta intermediando repasses de recursos a prefeituras.

“Considerando boatos de possível interferência na execução da Operação Acesso Pago e objetivando garantir a autonomia e a independência funcional do Delegado de Política Federal, conforme a Lei nº 12.830/2013, informamos que foi determinada a instauração de procedimento apuratório para verificar a eventual ocorrência de interferência, buscando o total esclarecimento dos fatos”, informou a PF.

A instauração da investigação se dá após o delegado Bruno Calandrini, responsável pela operação, afirmar em mensagem enviada a colegas da corporação que houve interferência na ação da PF. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, Calandrini disse no texto que a apuração foi “prejudicada” em razão de tratamento diferenciado dado pela PF a Ribeiro.

A mensagem cita como exemplo de interferência o descumprimento da ordem do delegado para que o ex-ministro fosse levado de Santos a um aeroporto de São Paulo, de onde decolaria para Brasília. Na capital, conforme decisão do juiz Rodrigo Borelli, da 15ª Vara Federal do Distrito Federal, autor da ordem de prisão, Ribeiro passaria por audiência de custódia.

O ex-ministro, contudo, foi levado pela PF à Superintendência da corporação na capital paulista, onde ele passou a noite. O delegado afirmou não ter “autonomia investigativa para conduzir o inquérito deste caso com independência e segurança institucional” e que a investigação “foi obstaculizada ao se escolher pela não transferência de Milton a Brasília à revelia da decisão judicial”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)