Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Palocci usa mensagens da Vaza-Jato para derrubar última ação contra ele

Defesa de ex-ministro apresentou à Justiça Eleitoral de Brasília chats em que Sergio Moro orienta e troca informações com Procuradoria sobre processo

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 jun 2023, 17h50 - Publicado em 15 jun 2023, 17h10

Depois de obter acesso a mensagens trocadas no Telegram por procuradores da força-tarefa da Operação Lava-Jato, vazadas por um hacker em 2019 e apreendidas pela Polícia Federal na Operação Spoofing, o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci busca usar o material para derrubar uma ação penal a que ele responde na Justiça Eleitoral do Distrito Federal – a última contra ele. O caso, que trata dos supostos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, diz respeito ao suposto pagamento de 10,2 milhões de dólares da Odebrecht ao casal de publicitários João Santana e Mônica Moura, que atuou em campanhas presidenciais do PT em 2006, 2010 e 2014.

Na resposta à acusação apresentada nesta quarta, 14, à 1ª Zona Eleitoral de Brasília, os advogados de Palocci incluíram uma série de mensagens que mostram o ex-juiz Sergio Moro, hoje senador pelo União Brasil do Paraná, orientando a atuação do ex-procurador da Lava-Jato e deputado cassado Deltan Dallagnol no processo contra o ex-ministro. O caso foi enviado por ordem do Superior Tribunal de Justiça (STJ) à Justiça Eleitoral, que ratificou as decisões de Moro no caso depois de o Ministério Público Eleitoral referendar a denúncia apresentada contra Palocci pela força-tarefa da Lava-Jato.

Ainda foram apresentados diálogos em que Moro troca informações com Dallagnol a respeito do processo contra Palocci e comemora a apresentação de uma denúncia contra o ex-ministro e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, relacionada à suposta compra, pela Odebrecht, de um terreno para construção do Instituto Lula, em São Paulo. “Denúncia do Lula sendo protocolada em breve. Denúncia do Cabral será protocolada amanhã”, escreveu o ex-procurador. “Um bom dia afinal”, respondeu Moro.

“O magistrado não pode travestir-se de acusador; não pode atuar como conselheiro ou técnico da acusação. Mas foi exatamente isso que ocorreu no presente caso. O ex-magistrado, estabelecendo diálogos íntimos com o ex-chefe da força-tarefa do Ministério Público Federal na Operação Lava-Jato (o que por si só já é um problema), efetivamente orientou a atuação do órgão acusatório no presente caso”, diz a manifestação da defesa do ex-ministro.

Continua após a publicidade

Entre as mensagens obtidas por Palocci e incluídas no documento, os advogados mostram também diálogos em que os procuradores da Lava-Jato “demonstram animosidade” em relação ao ex-petista. Em um dos chats, quando a procuradora Laura Tessler pergunta aos colegas sobre como Antonio Palocci deve ser chamado, se de “ex-ministro” ou “ex-deputado”, o procurador Antônio Carlos Welter responde “es-croque” e Dallagnol acrescenta em seguida: “safado”.

No pedido à Justiça Eleitoral, a defesa do ex-ministro sustenta não haver “justa causa” para a configuração dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Os advogados citam depoimentos do empresário Marcelo Odebrecht no sentido de que o dinheiro pago ao marqueteiro João Santana no exterior não tinha relação com contratos da Petrobras para a contratação de 21 navios-sonda e foi liberado por ordem do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega — e não por Palocci –, embora os valores tenham saído da “Planilha Italiano”. A planilha, segundo delatores da Odebrecht, concentrava a “gestão” dos pagamentos de propina da empreiteira intermediados por Antonio Palocci.

A defesa de Palocci pede que seja reconhecida a suspeição de Moro em relação ao caso, com a consequente anulação de seus atos. Os advogados também solicitam a rejeição da denúncia contra Palocci com base na alegação de que, se a Justiça Federal não tinha competência, ou seja, jurisdição, sobre o caso, e sim a Justiça Eleitoral, o Ministério Público Federal também não poderia atuar no processo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.