Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Os bastidores do dia em que o príncipe perdeu a vaga de vice de Bolsonaro

Na véspera do prazo final para confirmar companheiro de chapa no TSE, presidenciável mudou de ideia em razão de um suposto dossiê contra Orléans e Bragança

Por Eduardo Gonçalves Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 14 nov 2019, 15h55 - Publicado em 14 nov 2019, 14h06

Era sábado, dia 4 de agosto de 2018. Faltava apenas um dia para registrar a chapa no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O então candidato à presidência da República Jair Bolsonaro passara os últimos pensando em quem seria o seu vice – o príncipe Luiz Philippe de Orléans e Bragança, o general Hamilton Mourão ou a advogada Janaina Paschoal. Na manhã daquele dia, ele bateu o martelo pelo descendente da antiga família real brasileira que era próximo de seu filho Eduardo Bolsonaro.

O então faz-tudo da campanha Gustavo Bebianno se encarregou de registrar a chapa Bolsonaro – Luiz Philippe no sistema online do TSE. Bolsonaro, por sua vez, telefonou para Levy Fidelix, presidente do PRTB, partido de Mourão, para lhe avisar que o general não seria mais o seu vice. Na conversa, Fidelix se irritou por ter sido pego de surpresa e avisou que Bolsonaro iria enfrentar o militar na eleição – a ideia era montar uma chapa à presidência Mourão-Fidelix.

Até a noite, estava tudo certo. A papelada com as assinaturas de Bolsonaro e Luiz Philippe já havia sido enviada ao tribunal. Finalmente, a novela dos vice acabara – na ciranda dos que não foram escolhidos para compor a chapa presidencial, constavam o senador Magno Malta e o general Augusto Heleno, além de Janaina.

Por volta das 4 horas da manhã de domingo, Bebianno recebeu uma ligação de Bolsonaro dizendo que havia mudado de ideia. Que “um delegado da federal e um coronel do Exército” haviam lhe entregado um suposto dossiê com fotos do príncipe em uma orgia gay e numa festa de máscaras, além de informações que ele estaria envolvido em uma gangue que agredia moradores de rua – Luiz Philippe diz que todas essas informações são falsas, e até Bebianno duvida que o material seja verdadeiro. 

“É tanta maluquice que a gente tem assistido, que não me surpreenderia se o Jair tiver inventado toda essa história absurda, baixa, surreal, para trocar de vice na última hora”

Continua após a publicidade

“É tanta maluquice que a gente tem assistido, que não me surpreenderia se o Jair tiver inventado toda essa história absurda, baixa, surreal, para trocar de vice na última hora”

Bolsonaro estava no Rio de Janeiro e se preparava para embarcar em São Paulo para a convenção do PSL no Clube Militar, na Zona Norte da capital paulista. Às 5 horas, também ligou para o então aliado Alexandre Frota contando-lhe a mesma história. “Se isso cair na imprensa, acabou minha campanha”, teria dito Bolsonaro. No fim, pediu o contato de Mourão.

Mourão recebeu a ligação e topou, mas disse que era preciso consultar antes Fidelix. Segundo pessoas próximas, o presidente do PRTB tem o costume de desligar o celular quando dorme, e foi uma saga conseguir contatá-lo. Um aliado precisou falar com o filho, conhecido como Levyzinho, que ligou para a mãe, que avisou o pai. Às 9 horas, Levy e Bolsonaro conversaram e combinaram de se encontrar na convenção do PRTB, no Esporte Clube Sírio, na Zona Sul de São Paulo. A decisão foi tão de última hora que não deu tempo de Levy registrar a coligação proporcional com o PSL, o que teria garantido ao seu partido pelo menos duas cadeiras na Câmara dos Deputados – a legenda não elegeu nenhum parlamentar.

Às 10 horas, Bolsonaro chegou com a sua comitiva para a convenção do PSL. O príncipe Luiz Philippe tentou abordá-lo na entrada, mas Bolsonaro se esquivou, conforme disse Bebianno. Quem estava no evento lembra que o príncipe estava “branco” e cercado de apoiadores com faixas e cartazes com o seu nome – esperavam provavelmente o anúncio dele como vice.

Por volta das 11 horas, numa sala vip no Clube Militar, Eduardo Bolsonaro confirmou a história do suposto dossiê e da orgia gay para Frota, que quis ver as fotos. Eduardo, então, lhe respondeu que só seu pai e Bebianno tinham recebido os arquivos – a VEJA Bebianno negou ter o material.

Em seguida, a comitiva do então candidato presidencial saiu em direção à convenção do PRTB. Os principais candidatos da sigla, Eduardo Bolsonaro, Joice Hasselmann, Alexandre Frota, acompanharam o grupo – uma ausência foi notada, a de Luiz Philippe.

Na convenção, Bolsonaro anunciou o nome de Mourão como vice. “No momento, eu deixo de ser capitão, o general Mourão deixa de ser general, nós passamos a ser a partir de agora soldados do nosso Brasil”, disse ele.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.