Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Oposição mantém Jordy na liderança da Câmara e anuncia ofensiva contra STF

Parlamentares alegam perseguição e abusos de poder do Judiciário após operação da PF contra deputado

Por Bruno Caniato Atualizado em 8 Maio 2024, 16h38 - Publicado em 24 jan 2024, 17h08

Deputados e senadores da oposição ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva anunciaram nesta quarta-feira, 24, que estão articulando um movimento no Congresso Nacional para combater o “desequilíbrio entre os poderes” e “fortalecer as prerrogativas parlamentares”.

As declarações ocorrem uma semana após a operação da Polícia Federal contra o deputado federal Carlos Jordy (PL-RJ), que permanecerá na posição de líder da oposição na Câmara. A previsão era que ele fosse sucedido por Filipe Barros (PL-PR) a partir de fevereiro.

Durante coletiva de imprensa em Brasília, os parlamentares criticaram o que chamam de “abuso de autoridade” por parte do Supremo Tribunal Federal (STF) e afirmaram que vão conversar com lideranças tanto da oposição quanto da base governista para trabalhar pelo reequilíbrio entre os poderes. “Há uma evidente hipertrofia de um Poder [Judiciário] sobre o Legislativo, e nós vamos definir pautas que unem oposição e situação e dizem respeito à preservação das prerrogativas”, afirmou o senador Rogério Marinho (PL-RN), líder da oposição no Senado.

Na mesma coletiva, Jordy voltou a alegar que as ações de busca e apreensão realizadas pela PF em sua casa e no seu gabinete na Câmara foram medidas de “perseguição política” contra opositores do governo, e fez um apelo aos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para defender e fortalecer a imunidade parlamentar.”Esses inquéritos têm que acabar, são inquéritos inconstitucionais. Cabe ao Judiciário apenas julgar, e nós estamos vendo eles fazendo todo tipo de inquérito de ofício”, declarou.

Estavam também presentes no evento o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) e os deputados Carla Zambelli (PL-SP), Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) e Marcel Van Hattem (NOVO-RS), além de outras lideranças de direita no Congresso.

Continua após a publicidade

Investigado pelos ataques de 8 de janeiro

Na última quinta-feira, 18, Jordy foi alvo de buscas da Polícia Federal no âmbito da Operação Lesa-Pátria, que investiga mentores e financiadores dos atentados de caráter golpista ocorridos em 8 de janeiro de 2023 em Brasília. Ele é suspeito de articular grupos de manifestantes que depredaram os prédios dos Três Poderes e, anteriormente, organizaram acampamentos em frente a quartéis pedindo por uma intervenção militar no governo.

No celular do deputado, a PF encontrou uma conversa com Carlos Victor Carvalho, liderança da extrema direita conhecido como “CVC”, acusado de financiar ônibus que transportaram manifestantes de Campos dos Goytacazes (RJ) a Brasília no dia dos atos — nas mensagens, CVC chama Jordy de “meu líder” e envia uma foto em meio aos protestos. Além de afirmar que as mensagens foram tiradas de contexto e que a imagem foi adulterada, Jordy alega que o mandado judicial contra ele foi feito “de ofício” (sem autorização) pelo ministro Alexandre de Moraes.

É importante ressaltar que as decisões de Moraes contra Jordy foram expedidas a pedido da própria Polícia Federal e da Procuradoria-Geral da República (PGR), no âmbito das investigações sobre tentativa de golpe de Estado no 8 de janeiro — as duas instituições são responsáveis por apurar crimes, denunciar suspeitos e solicitar mandados para operações contra os investigados.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.