Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O retumbante fracasso de Bia Kicis no comando da CCJ

Parlamentar foi colocada em comando de comissão estratégica para levar adiante pautas do bolsonarismo, mas não entregou o esperado

Por Da Redação Atualizado em 28 jan 2022, 15h00 - Publicado em 27 jan 2022, 17h59

Festejada como guardiã da chamada “pauta de costumes” do bolsonarismo na estratégica Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) aproxima-se do fim de seu mandato como presidente do colegiado de forma melancólica, sem ter conseguido impor a agenda de ideias que animam a base de apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Depois de um ano à frente da CCJ, o saldo é negativo para Bia Kicis, que não passou no teste de habilidade política — teve um início bastante tumultuado, sem conduzir sequer uma votação por causa do travamento da pauta pela oposição — e viu seu nome ser desgastado no Palácio do Planalto, que hoje só tem olhos para os experimentados políticos do Centrão. 

A parlamentar até conseguiu ver a aprovação, na CCJ, do homeschooling (direito de os pais educarem os seus filhos em casa) e a revogação da PEC da Bengala -(que reduz a idade para aposentadoria compulsória de magistrados do Supremo Tribunal Federal de 75 para 70 anos, uma tentativa de ampliar o número de ministros que Bolsonaro poderá indicar em um eventual segundo mandato). A proposta não andou mais depois disso.

Por outro lado, Bia Kicis viu naufragar na comissão uma proposta que permitiria o impeachment de ministros do STF no caso de um magistrado usurpar a competência do Congresso — o projeto, que visava retirar poderes da Corte, era uma obsessão bolsonarista. Outros temas que falam ao coração da base ideológica sequer passaram pela comissão. O projeto do voto impresso, de autoria da própria Kicis, foi rejeitado numa comissão especial e no Plenário. O plantio de maconha medicinal, que tem oposição do bolsonarismo, também tramita num colegiado próprio.

NOTA DA REDAÇÃO – a primeira versão deste texto informava erroneamente que havia alguma possibilidade de Bia Kicis ter o mandato renovado em fevereiro. Isso não é possível, já que o Regimento Interno da Câmara fixa mandato de um ano, sem direito a reeleição.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês