Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O que as escavações encontraram no mais notório porão da ditadura militar

Trabalho de pesquisadores em prédio do DOI-Codi em São Paulo ocorreu nas últimas duas semanas

Por Da Redação Atualizado em 13 Maio 2024, 22h49 - Publicado em 14 ago 2023, 12h40

Inscrições na parede, possíveis vestígios de sangue e ao menos 350 objetos antigos estão entre as descobertas de pesquisadores no antigo prédio do DOI-Codi, em São Paulo, divulgadas nesta segunda-feira, 14. Realizado por cientistas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o projeto de escavação no mais notório centro de repressão da ditadura brasileira começou no último 2 e ajuda a contar a história dos crimes cometidos pelo regime militar contra os próprios cidadãos.

Uma das salas do DOI-Codi, em São Paulo, usada para tortura e interrogatório de suspeitos de dissidência
Uma das salas do DOI-Codi, em São Paulo, usadas para tortura e interrogatório de suspeitos de dissidência (Felipe Bezerra/Unicamp/Divulgação)

Entre os indícios preliminares de violência encontrados no local estão escritos nas paredes feitos pelos prisioneiros, artefatos que indicam o processo de sequestro e fichamento dos prisioneiros e resíduos de um material que pode ser sangue. A professora da Unifesp Deborah Neves, coordenadora do projeto, explica a importância do trabalho arqueológico em frentes diversas. “É a primeira vez que trabalhamos ao mesmo tempo com três linhas da arqueologia: a das escavações, a forense — que permite que o investigador busque informações que podem ser usadas judicialmente— e a pública, voltada para a divulgação do trabalho”, afirma.

Pesquisadores fazem escavação no DOI-Codi, que funcionou como centro de repressão da ditadura militar
Pesquisadoras fazem escavação no DOI-Codi, que funcionou como centro de repressão da ditadura militar (Unicamp/Divulgação)

Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) foi o principal órgão da ditadura militar encarregado de reprimir opositores do governo. Entre 1969 e 1983, estima-se que cerca de 7.000 pessoas tenham sido presas e interrogadas — frequentemente, sob tortura — no prédio localizado na Rua Tutóia, 921, na Vila Mariana, na Zona Sul da capital paulista, e que entre 52 e 79 dessas vítimas tenham sido mortas no local.

Uma das participantes do projeto, a pesquisadora Aline Carvalho, da Unicamp, declara que a iniciativa contribui para conscientizar a população sobre as atrocidades cometidas pelo regime autoritário. “Nossa ideia é manter viva a memória do trauma da ditadura militar para que isso nunca se repita — as ciências nos ajudam a produzir informações para compreendermos esse passado e construirmos percepções para uma sociedade democrática”, afirma.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.