Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Na disputa pela Presidência, PSTU troca ‘eterno candidato’ por operária

A sapateira Vera Lúcia substituirá em 2018 o metalúrgico Zé Maria, que se candidatou ao Planalto quatro vezes. Vice dela será o professor Hertz Dias

Por Da Redação
Atualizado em 21 abr 2018, 01h32 - Publicado em 20 abr 2018, 18h44

Diante da pulverização de candidaturas à Presidência da República neste ano, da esquerda à direita, não seria o Partido Socialista Trabalhadores Unificado (PSTU) a ficar sem um dos seus na escolha do próximo ocupante do Palácio do Planalto. Presente na disputa presidencial desde 1998, o partido de extrema esquerda lançará, neste sábado (21), em São Paulo, a pré-candidatura da operária Vera Lúcia à sucessão de Michel Temer (MDB). A chapa terá como vice Hertz Dias, professor e ativista do Movimento Hip Hop Militante “Quilombo Brasil”. 

Formada em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Sergipe, a aposta do PSTU neste ano é natural do sertão pernambucano e liderou reivindicações sindicais dos operários da indústria de calçados, na qual ela atua. Vera Lúcia substituirá em 2018 o eterno presidenciável do PSTU, o metalúrgico Zé Maria, um dos fundadores da sigla, que disputou o Planalto em 1998, 2002, 2010 e 2014 e teve como melhor resultado nas urnas 0,4% dos votos, em 2002. Fora o desempenho eleitoral, outro ponto alto da biografia de Zé Maria foi ter estado preso ao lado do ex-presidente Lula em 1980, quando o petista, então um líder sindical, foi detido pela ditadura militar por organizar greves no ABC paulista.

Embora mude a cabeça de chapa do PSTU, o discurso mesozóico que lhe é característico não arredará um centímetro sequer na campanha. “Sabemos que as eleições nada mudam, pois são um jogo de cartas marcadas dos bancos, empreiteiras e grandes empresários. Para mudar de verdade, esse país precisa de uma revolução socialista que o liberte da dominação dos grandes bancos, empresas estrangeiras e os governos dos países ricos, e ponha fim ao capitalismo que só traz pobreza e miséria”, diz a pré-candidata Vera Lúcia. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.