Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Lula estende licença-maternidade a servidoras federais temporárias

Presidente assina parecer que segue entendimento do STF; medida iguala direitos entre funcionárias concursadas, comissionadas ou temporárias

Por Adriana Ferraz Atualizado em 9 Maio 2024, 12h22 - Publicado em 13 abr 2024, 11h34

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou parecer da Advocacia-Geral da União (AGU) que estende o direito à licença-maternidade e à estabilidade provisória a todas as servidoras da administração pública federal, sejam elas comissionadas ou contratadas por tempo determinado. Com a mudança, a União passa a adotar o entendimento definido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em outubro de 2023, que concede o benefício independentemente do regime contratual.

De acordo com a tese do Supremo, “a trabalhadora gestante tem direito ao gozo de licença-maternidade e à estabilidade provisória, independentemente do regime jurídico aplicável, se contratual ou administrativo, ainda que ocupe cargo em comissão ou seja contratada por tempo determinado”.

A decisão foi comemorada pela AGU, que classifica a medida como uma garantia à igualdade das mulheres e à proteção da primeira infância. “A licença-maternidade e a estabilidade provisória têm por objetivo principal a proteção da primeira infância e dos direitos fundamentais das mulheres mães, tanto gestantes quanto adotantes. Essa é a razão, pautada no direito à igualdade, de se estender os direitos sociais à licença maternidade e à estabilidade no emprego também às servidoras ocupantes de cargos em comissão e às trabalhadoras contratadas temporariamente”, explica trecho do documento.

Continua após a publicidade

De acordo com o ministro Jorge Messias, da AGU, ao assinar o parecer vinculante proposto pelo órgão, o governo estende a todas as mulheres não concursadas da administração federal o direito ao benefício da licença-maternidade de 120 dias e da estabilidade provisória à gestante desde a ciência da gravidez até cinco meses após o nascimento da criança.

Apesar de se tratar de uma decisão do STF, a assinatura do parecer foi necessária porque o julgamento de um recurso extraordinário com repercussão geral não tem o poder  de vincular automaticamente a administração pública, que, em tese, poderia adotar outra interpretação em casos concretos. Juridicamente, as decisões em repercussão geral são consideradas um precedente qualificado que serve para orientar futuras decisões de todas as instâncias do Judiciário.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.