Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Justiça condena manifestante que matou cinegrafista com rojão em 2014

Artesão recebe sentença de doze anos por lesão corporal seguida de morte; vítima cobria protestos pela TV Bandeirantes

Por Da Redação Atualizado em 9 Maio 2024, 18h35 - Publicado em 13 dez 2023, 10h14

O artesão Caio Silva de Souza foi condenado nesta quarta-feira, 13, a doze anos de prisão pela morte do cinegrafista Santiago Andrade com um rojão durante um protesto no Rio de Janeiro. O caso ocorreu em 2014 e somente agora, quase dez anos depois, o manifestante recebeu a sentença pelo júri popular — ele poderá recorrer em liberdade.

Inicialmente, Caio Silva e outro réu, o tatuador Fábio Raposo, foram acusados de homicídio doloso pelo disparo do artefato que atingiu e matou Andrade. Contudo, após quase doze horas de julgamento e mais de vinte depoimentos de testemunhas, o 3º Tribunal do Júri concluiu que não houve intenção de matar o cinegrafista, e a juíza Tula Correa de Mello decidiu pela condenação por lesão corporal seguida de morte.

Na mesma sessão, Raposo foi absolvido. Segundo a versão aceita pelo tribunal, o tatuador pegou um artefato no chão durante o protesto, sem saber que se tratava de um rojão, e Silva se aproximou dele e pediu que o entregasse o objeto, acendeu-o com um isqueiro e, em seguida, ambos deixaram o local sem perceber que o disparo havia atingido Andrade.

Relembre o caso

Em 6 de fevereiro de 2014, no contexto dos protestos generalizados que eclodiram no ano anterior contra o governo Dilma Rousseff, Santiago Andrade atuava na cobertura de uma manifestação pela TV Bandeirantes. Os atos ocorriam perto da Central do Brasil, no Rio de Janeiro, e tinham como pauta específica o descontentamento com a alta da passagem de ônibus na capital fluminense.

Continua após a publicidade

No momento do crime, a Polícia Militar estava em confronto com os manifestantes para conter a escalada da violência. Durante a confusão, Caio Silva e Fábio Raposo acenderam um rojão e dispararam sem direção específica, que acabou atingindo o cinegrafista, e deixaram o local em seguida. Andrade chegou a ser socorrido e internado, mas morreu no hospital quatro dias depois.

Silva e Raposo chegaram a ser presos em 2014 e 2015, mas foram libertados e puderam responder em liberdade. A tramitação do caso foi atrasada por uma série de recursos, desde a primeira instância da Justiça do Rio até o Superior Tribunal de Justiça (STJ) – em 2017, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes confirmou a acusação e determinou que os réus fossem julgados pelo tribunal do júri.

O cinegrafista Santiago Andrade, morto em 2014 após ser atingido por um rojão enquanto cobria manifestações no Rio de Janeiro
O cinegrafista Santiago Andrade, morto em 2014 após ser atingido por um rojão enquanto cobria manifestações no Rio de Janeiro (Reprodução/Gabriel Penchel/Agência Brasil)
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.