Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Irmão de delegado, desembargador se declara impedido em caso de Palocci

Loraci Flores, do TRF4, reconheceu a atuação do delegado Luciano Flores, da PF, na instauração de investigação contra o ex-ministro

Por Redação
18 Maio 2023, 18h39

O desembargador federal Loraci Flores, relator da Operação Lava Jato no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), decidiu nesta quinta-feira, 18, se declarar impedido de julgar um caso envolvendo o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci.

Flores é irmão do delegado da Polícia Federal Luciano Flores, que atuou na Lava Jato. A defesa do ex-ministro havia argumentado que o desembargador não poderia decidir em relação a Palocci porque Luciano foi quem instaurou um inquérito na PF que investigou a Projeto Consultoria, empresa do ex-petista. A investigação levou à abertura de uma ação penal contra Antonio Palocci, a respeito da compra, pela Odebrecht, de um terreno que abrigaria o Instituto Lula, em São Paulo.

O pedido da defesa e a decisão do desembargador ocorreram no âmbito de um recurso movido pelo Ministério Público Federal para impedir a liberação de 35 milhões de reais Palocci que haviam sido desbloqueados pela Justiça Federal.

“Assim, conforme apontado pela defesa, o Delegado Federal Luciano Flores de Lima atuou efetiva e diretamente em um dos inquéritos policiais que embasou o oferecimento da denúncia nos autos da ação penal da qual os autos originários são instrumentais”, decidiu o desembargador federal. Ainda conforme Flores, houve “participação efetiva” do irmão “na obtenção das provas que subsidiaram as imputações da ação penal, diretamente vinculada a este recurso”.

Alvo de um mandado de prisão em setembro de 2016, na 35ª fase da operação, Palocci fechou uma delação premiada com a PF, no qual relatou sua participação e a de ex-companheiros do PT, como o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em supostos casos de corrupção. Como revelou VEJA nesta semana, Antonio Palocci será ouvido nesta sexta-feira, 19, pelo juiz federal Eduardo Appio. Ele falará a respeito da “espontaneidade” de seu acordo de delação premiada, que ele agora busca rever. Ao despachar sobre o caso, Appio citou a apuração de eventual “tortura” envolvendo o ex-ministro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.