Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Como a rivalidade política entre Doria e Bolsonaro atingiu o futebol

Enquanto presidente defendeu o retorno do Campeonato Carioca em abril, governador de SP autorizou que clubes paulistas voltassem a treinar apenas em julho

Por André Siqueira Atualizado em 8 jul 2020, 12h18 - Publicado em 8 jul 2020, 11h44

A rivalidade entre o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o presidente Jair Bolsonaro, antes restrita ao campo político, parece agora ter sido levada para os campos de futebol. Em meio à pandemia do novo coronavírus, os governantes travam uma queda de braço sobre a volta do esporte no país.

Chefe do governo federal, Bolsonaro é um defensor ferrenho do retorno do futebol e chegou a sugerir, no fim de abril, que a final do Campeonato Carioca, que teve seu retorno autorizado pelo prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), fosse disputada no estádio nacional Mané Garrincha, em Brasília, no Distrito Federal, governado pelo emedebista Ibaneis Rocha (MDB). Crivella e Ibaneis são dois aliados políticos do presidente da República.

Ainda em abril, em entrevista à Rádio Guaíba, de Porto Alegre, Bolsonaro afirmou que os jogadores têm risco pequeno de morrer, caso sejam infectados com o novo coronavírus, por conta da boa condição física dos atletas. O presidente também disse que a volta do futebol era necessária porque a crise econômica estava batendo na porta dos clubes.

ASSINE VEJA

Governo Bolsonaro: Sinais de paz Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz
Clique e Assine

Doria, por sua vez, tem adotado uma postura mais conservadora, a contragosto dos clubes paulistas, que só voltaram a treinar no início de julho. Clubes do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul, por exemplo, estão treinando desde maio – a divergência no calendário de treinamento, inclusive, é um dos argumentos utilizados pelos técnicos das equipes de São Paulo para dizer que o retorno imediato do Campeonato Brasileiro seria injusto.

Na segunda-feira 6, em coletiva no Palácio dos Bandeirantes, o governador de São Paulo afirmou que os times do estado só poderão disputar as Séries A e B do Campeonato Brasileiro após o término do Estadual – são cinco clubes de São Paulo na primeira divisão do futebol nacional e quatro na segunda.

Continua após a publicidade

“Se não me engano, faltam três rodadas para concluir o campeonato. Sem concluir, os times de São Paulo não podem participar do Campeonato Brasileiro. Estamos levando em conta também isso, os aspectos de saúde e o protocolo que assinamos com a Federação Paulista de Futebol, e esta, por sua vez, com todas as equipes da primeira divisão”, afirmou Doria.

  • Relacionadas

Para a conclusão do Paulistão de 2020, porém, seriam necessárias ao menos seis datas: duas para encerrar a fase de grupos e outras quatro para o mata-mata. O presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Reinaldo Carneiro Bastos, disse em entrevista a VEJA que não trabalhava com a possibilidade de “encavalar” as duas competições, o Estadual e o Brasileiro. A FPF trabalharia nos bastidores para o adiamento do início do campeonato nacional.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF), entidade máxima do esporte, prontamente publicou uma nota em seu site rebatendo indiretamente a fala de Doria, reforçando que os mesmos nove times paulistas se comprometeram com a confederação em iniciar a disputa nacional no fim de semana dos dias 8 e 9 de agosto.

O imbróglio, no entanto, pode estar chegando ao fim. Na terça-feira 7, a FPF pediu ao governo paulista o retorno do Paulista para o dia 22 de julho. A confirmação data depende da aprovação de Doria e dos órgãos estaduais de saúde e pode ser anunciada na coletiva desta quarta-feira, 8.

Apesar da movimentação e da boa vontade de governantes e de cartolas, o retorno do futebol, embora já aconteça no Rio de Janeiro, por exemplo, está envolto de incertezas. Além da necessidade de se encaixar diversas datas para a realização das competições, CBF, dirigentes e políticos terão de lidar com o fato de alguns atletas e membros das comissões técnicas estarem sendo afastados de suas atividades em razão da contaminação pelo coronavírus. Tudo isto no momento em que o país já ultrapassou a marca de 65.000 mortes por Covid-19.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)