Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Bruno Ribeiro, Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

As reações de Doria e seu entorno ao assédio de Lula a líderes do PSDB

Equipe de campanha do governador paulista observa aproximação de petista com tucanos históricos em busca de apoio para a eleição

Por Da Redação 24 jan 2022, 16h34

Enquanto trabalha para concretizar a aliança com Geraldo Alckmin (sem partido) para o posto de seu candidato a vice-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vem assediando uma série de ex-colegas de partido do antigo tucano para construir uma imagem eleitoral de conciliação com a centro-direita contra Jair Bolsonaro nas eleições de outubro. Até agora, os tucanos históricos têm se mostrado abertos a esses sinais de paz, provocando algumas críticas entre os auxiliares de João Doria, governador de São Paulo e pré-candidato à Presidência pelo PSDB.

De um lado, os tucanos já esperavam algum movimento contrário ao governador paulista por parte do senador Tasso Jeressatti, cacique do Ceará que entrou em rota de colisão com Doria durante as prévias do PSDB, como lembra um integrante da equipe do paulista. De outro, há certa insatisfação diante de gestos como o do ex-senador Aloysio Nunes Ferreira (que se encontrou com Lula na semana passada e, depois disso, deu entrevistas elogiando a possível chapa do petista com Alckmin) e de Arthur Virgílio, cotado para o posto de chanceler de um eventual governo Lula. Um auxiliar próximo de Doria lembra que o governador tem ambos na sua lista de aliados dentro do partido – Virgílio chegou a emitir uma nota se dizendo “honrado” com a menção, mas que tinha compromisso com o partido.

Esse mesmo auxiliar afirma ser “natural” Lula buscar tanto os tucanos à esquerda do partido quanto nomes mais antigos da legenda, mas argumenta que “conversar não é se associar”, dizendo que eles estarão com Doria no momento da eleição.

Há, porém, o caso de Fernando Henrique Cardoso, figura histórica mais importante do PSDB, com quem Lula também tem conversado (há rumores de um novo encontro nos próximos dias). A equipe de Doria se fia em declarações explicitas de apoio que o ex-presidente (entre 1995 e 2002) já deu ao atual governador de São Paulo, mas observa essa aproximação de longe.

Por ora, a ordem no Palácio dos Bandeirantes é manter o foco das agendas públicas na gestão do governo de São Paulo e deixar as movimentações para se aproximar publicamente de aliados apenas para abril, quando Doria terá de renunciar ao mandato para disputar as eleições.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês