Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Candidatos prometem emprego, mas brasileiro quer ganhar mais como autônomo

Levantamento do instituto Datafolha mostra que mais pessoas abririam mão de benefícios trabalhistas em troca de salários maiores e menos impostos

Por Da Redação
Atualizado em 20 set 2018, 20h47 - Publicado em 20 set 2018, 18h06

Além das intenções de voto na disputa para a Presidência da República, o instituto Datafolha também questionou os brasileiros sobre qual é a prioridade quando o assunto é a retomada do emprego e o mercado de trabalho. Eles foram questionados se preferem ser autônomos com mais salário ou registrados com mais direitos.

Para 50% dos entrevistados, é melhor ganhar mais e pagar menos impostos na informalidade do que obter um registro formal pela CLT, opção de 43%. Outros 7% não souberam responder.

O resultado do levantamento, divulgado pelo jornal Folha de S.Paulo nesta quinta-feira 20, indica uma tendência contrária àquela que está na boca de alguns dos principais presidenciáveis, que é a de incentivar a criação de empregos formais. Henrique Meirelles, do MDB, já se comprometeu a criar 10 milhões de vagas em seus quatro anos de governo.

Ciro Gomes (PDT) diz que, com investimentos estatais em um possível governo, seriam 2 milhões de empregos apenas em 2019. O pedetista também defende proibir e punir a “pejotização”, a contratação de trabalhadores por meio de contratos de pessoa jurídica com empresas.

O instituto também mediu a porcentagem dos eleitores de cada candidato que fariam uma ou outra opção. Entre os que pretendem votar em Jair Bolsonaro (PSL), que já defendeu “menos direitos” para mais empregos, está a maior vantagem para o meio de trabalho como autônomo (60% a 35%). De outro lado, são justamente os eleitores de Ciro aqueles que mais valorizam os contratos com a garantia de direitos trabalhistas (51% a 42%).

Os objetivos do eleitor de cada candidato, segundo o Datafolha

Jair Bolsonaro (PSL)

Autônomos com mais salário: 60%
Registrados com mais direitos: 35%

Fernando Haddad (PT)

Autônomos com mais salário: 45%
Registrados com mais direitos: 49%

Continua após a publicidade

Ciro Gomes (PDT)

Autônomos com mais salário: 42%
Registrados com mais direitos: 51%

Geraldo Alckmin (PSDB)

Autônomos com mais salário: 46%
Registrados com mais direitos: 48%

Marina Silva (Rede)

Continua após a publicidade

Autônomos com mais salário: 45%
Registrados com mais direitos: 47%

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.