Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Letra de Médico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil
Continua após publicidade

Por que temos de redobrar os cuidados com nossos bebês prematuros?

Maior causa de mortalidade infantil no Brasil, a prematuridade pode ser combatida com cuidado integrado à mãe e ao recém-nascido

Por Renato de Ávila Kfouri
Atualizado em 27 nov 2023, 17h42 - Publicado em 27 nov 2023, 10h08

Desde 2008, comemora-se o Dia Mundial da Prematuridade. O dia é 17 de novembro, mas todo o mês de novembro, chamado roxo, tem como objetivo alertar e sensibilizar gestores, governantes e a sociedade sobre o crescente aumento do número de partos prematuros e suas formas de prevenção, além de informar sobre as consequências do nascimento antecipado e propiciar um atendimento adequado a essas crianças.

Embora haja países onde a desnutrição, as diarreias e a pneumonia ainda representem um enorme obstáculo, atualmente o parto prematuro é a principal causa de mortalidade infantil no Brasil. Assim como na maioria dos países desenvolvidos.

Cerca de um em cada dez partos em nosso país ocorre de forma prematura, ou seja, antes de a gestação completar 37 semanas. Quanto mais prematura e menor o peso da criança ao nascer, maiores são os riscos, as chances de complicações e, portanto, os cuidados de que o recém-nascido necessitará.

A chegada de um bebê antes do tempo esperado gera, quase sempre, surpresa, angústia e apreensão para todos. Após o nascimento, o bebê prematuro pode precisar passar dias, semanas e até meses na terapia intensiva neonatal, alterando a rotina familiar e trazendo ainda mais insegurança e desafios no apoio aos pais.

Infelizmente, ainda enfrentamos também enormes desigualdades no que se refere às possibilidades e oportunidades de uma adequada assistência à gestante e ao bebê, impactando diretamente os cuidados de terapia neonatal e, consequentemente, o prognóstico de sobrevida e chances de plena recuperação do prematuro.

Continua após a publicidade

O novembro roxo busca a conscientização de todos sobre a importância de um cuidado integrado ao prematuro. Com UTIs neonatais mais bem equipadas e preparadas, estímulo ao aleitamento materno, vacinação adequada, terapias de estimulação precoce, prevenção de danos neurológicos e combate às infecções, é possível oferecer plenas condições para que os prematuros possam se tornar adultos capazes e autônomos, exercendo plena cidadania.

Mas, para isso, é preciso reduzir as desigualdades, a começar pela garantia de que toda gestante tenha direito a um pré-natal digno e adequado, prevenindo, assim, muitos nascimentos antes do tempo.

É hora de comemorar, festejar, mas ao mesmo tempo lutar para que nenhuma criança neste país fique para trás.

*Renato de Ávila Kfouri é médico infectologista, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e pediatra, presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.