Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Letra de Médico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil
Continua após publicidade

O recorde alarmante de malária na Terra Indígena Yanomami

Aumento nos casos da moléstia, transmitida por mosquitos e potencialmente fatal, no Norte do país é um desafio de saúde pública

Por Leonardo Weissmann*
Atualizado em 2 fev 2024, 09h46 - Publicado em 2 fev 2024, 09h45

A escalada drástica da malária na Terra Indígena Yanomami, no norte do Brasil, acende um alerta. Em 2023, foram registrados 25.895 casos, 64% a mais que no ano anterior, representando 20% dos casos em todo o país.

A situação se agrava com um aumento preocupante de 19% nos óbitos por malária em comparação com 2022. Esses números não são apenas estatísticas; eles refletem vidas impactadas e a pressão crescente sobre nosso sistema de saúde.

Além disso, destacam a imperativa necessidade de uma resposta coordenada e robusta para enfrentar essa doença que assola as comunidades indígenas e ameaça a saúde pública em larga escala.

A transmissão da malária ocorre, na maioria dos casos, através da picada das fêmeas dos mosquitos Anopheles, conhecidos popularmente como “mosquito-prego”, infectados por parasitas do gênero Plasmodium. No Brasil, as espécies Plasmodium vivax e Plasmodium falciparum são as mais comuns, cada uma exigindo tratamentos específicos.

Outras formas de transmissão, embora mais raras, incluem transfusões sanguíneas, uso compartilhado de seringas contaminadas, acidentes em laboratórios e passagem de mãe para filho durante a gravidez.

Os sintomas da malária podem variar desde febre alta, calafrios, dores de cabeça e musculares, com episódios que se repetem a cada dois ou três dias, até condições mais graves, que incluem alterações da consciência, convulsões, dificuldades respiratórias, alterações renais, entre outros, podendo levar à morte.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Como as mudanças climáticas aumentam a disseminação de doenças causadas por mosquitos

O diagnóstico precoce, essencial para uma abordagem terapêutica eficaz, é feito principalmente pelo exame de gota espessa, que permite a visualização do Plasmodium no sangue.

O tratamento da malária envolve o uso de medicamentos antiparasitários, como cloroquina, primaquina e combinações baseadas em artesunato. A escolha do tratamento depende da espécie do parasita, da idade do paciente, da gravidade da doença e da presença de outras condições médicas associadas.

É importante destacar que esses medicamentos são disponibilizados gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A maioria dos casos pode ser manejada ambulatorialmente, mas os mais graves exigem internação e atenção rápida, reforçando a necessidade de acesso imediato e eficaz aos cuidados de saúde.

Apesar dos avanços na área da saúde, ainda não há uma vacina contra a malária no Brasil, tornando as medidas preventivas, como o uso de mosquiteiros impregnados com inseticida e a eliminação de criadouros de mosquitos, fundamentais para o controle da doença.

Continua após a publicidade

A crise na Terra Indígena Yanomami ressalta a importância de uma abordagem coordenada para combater o problema, que vai além das medidas de saúde pública e inclui o fortalecimento dos sistemas de saúde e a promoção do desenvolvimento sustentável na região.

A situação atual também reforça a importância da vigilância epidemiológica e da cooperação internacional na busca por soluções duradouras para eliminar a malária.

* Leonardo Weissmann é médico infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas e professor da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP) – Campus Guarujá

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.