Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Informação e análise
Continua após publicidade

Um cenário ruim para o candidato Bolsonaro

Está acelerado o avanço da inflação para os pobres — 80% dos eleitores— e a desigualdade social já é recorde. Pobreza em alta é instabilidade crescente

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 15 jun 2021, 12h55 - Publicado em 15 jun 2021, 09h00

O cenário é de pesadelo para quem sonha se eleger no próximo ano, principalmente para Jair Bolsonaro que só pensa na reeleição.

Está acelerado e persistente o avanço da inflação nos bolsos dos pobres — isto é, oito de cada dez eleitores.

A alta de preços corrói a renda familiar nos domicílios onde os ganhos somam R$ 4,1 mil por mês, numa velocidade muito superior à observada nos demais.

Para a grande maioria dos brasileiros, a inflação aumentou 8,7% na média dos últimos doze meses.

O impacto inflacionário foi maior (8,9%) nas casas dos mais pobres, onde a renda somada vai até R$ 1.650,50 mensais.

Em contraste, o efeito foi menos corrosivo (6,3% até maio) nas residências de alta renda, com mais de R$ 16.509,66 por mês, segundo a pesquisadora Maria Andréia Lameiras, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Continua após a publicidade

A inflação sobe em ritmo veloz, na direção do patamar dos dois dígitos anuais para os mais pobres.

O Ipea confirmou ontem o vigor e a continuidade desse processo ao analisar o resultado inflacionário de maio: a inflação, de novo, foi maior para as famílias de renda muito baixa (0,92%) em comparação à apurada no segmento de renda mais alta da população (0,49%).

Os alimentos consomem cerca de 60% da renda domiciliar dos pobres. Nos últimos doze meses subiram em média 15,4% para essa maioria da população.

Inflação Ipea/ junho 2021
(Ipea/VEJA)

Os efeitos são visíveis nos bairros pobres, como o de São Sebastião, em Brasília, distante apenas vinte quilômetros do Palácio do Planalto e do Congresso.

Ali vivem 70 mil pessoas de baixa renda, cuja renda domiciliar é inferior um salário mínimo e meio.

Continua após a publicidade

Estão espalhadas no entorno do Presídio da Papuda, que durante algum tempo serviu de endereço residencial a políticos envolvidos em casos de corrupção, como o Mensalão e Petrobras — todos estão em liberdade.

No último dezembro, em São Sebastião, o botijão de gás de 13 quilos, suficiente para 22 dias numa casa de quatro pessoas, custava R$ 70. Agora é vendido por R$ 110.

Na tabela de preços locais se destacam:

* Arroz (saco de 5kg) subiu de R$ 12 para R$ 27;

* Açúcar (5kg) aumentou de R$ para R$ 15;

Continua após a publicidade

* Feijão (1kg) passou de R$ 4 para R$ 7;

* Óleo de soja (lata) foi de R$ 3,40 para R$ 7;

* Café (500gr) era R$ 4,85 em dezembro, agora custa R$ 8,90.

O desemprego já era elevado nas periferias e se agravou na pandemia, fazendo desabar o nível de renda dos pobres.

O índice oficial registra 14,5 milhões de pessoas desempregadas, mas ele só permite um vislumbre da dimensão da crise no país de 212 milhões de habitantes com a economia há muito combalida, e, prisioneiro da falta de preparo da mão de obra numa etapa de grandes mudanças tecnológicas.

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM: Reprovação a Bolsonaro sobe cinco pontos em pouco mais de um mês em SP

A força de trabalho em idade ativa somava 176 milhões de pessoas no trimestre encerrado em fevereiro.

Desse total, 100 milhões estavam no mercado de trabalho (cerca de 60% em serviços e o restante dividido entre a indústria e a agricultura). Outros 76 milhões compunham a chamada população inativa.

Esse contingente de inativos aumentou em 10,5 milhões de pessoas, no trimestre (dezembro de 2020 a fevereiro de 2021) em relação ao anterior (2019-2020). O cálculo é do professor José Pastore, da Universidade de São Paulo, com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD Contínua/IBGE).

O impacto da pandemia no fragilizado mercado de trabalho levou a desigualdade social a nível recorde, indica pesquisa da Fundação Getulio Vargas divulgada ontem.

Continua após a publicidade

A renda média por habitante desabou no primeiro trimestre (queda 11,3%, para R$ 995), em comparação com o primeiro trimestre do ano passado.

Para os mais pobres, foi bem pior (redução de 20,81% na renda individual), de acordo com o pesquisador Marcelo Neri, da FGV-Social.

Em meio à pandemia e com uma crise energética no horizonte, o país segue sob uma inflação acelerada, que empobrece ainda mais a massa do eleitorado e leva a desigualdade social a nível recorde.

Esse cenário é ruim para o candidato Bolsonaro, mas, também, representa enorme desafio para quem pretende tomar-lhe a cadeira presidencial nas eleições do próximo ano.

Pobreza em alta significa instabilidade política crescente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.